Ricardo Diniz discute Plano Municipal do Livro em Audiência Pública

Na manhã da quarta-feira, 10, a Câmara Municipal de São Luís realizou uma Audiência Pública atendendo a proposta do vereador Ricardo Diniz (PRTB), para discutir o Plano Municipal do Livro Leitura Literatura e Biblioteca no Município de São Luís.

Segundo Ricardo Diniz, o objetivo da audiência é iniciar os debates com as entidades e órgãos voltados para a educação municipal no intuito de discutir e encontrar soluções a curto, médio e longo prazos no que se refere às bibliotecas nas escolas.

“Existe um Decreto, divulgado no Diário Oficial do Município em 10 de outubro de 2008, o qual institui junto à Fundação Municipal de Cultura, o Sistema Municipal de Bibliotecas Públicas, e nós lutaremos arduamente para construção de Bibliotecas Públicas Municipais”, falou Ricardo Diniz.

Durante a Audiência foram discutidas questões fundamentais em relação à realidade da nossa cidade, que enfrenta lutas diárias para educar na tentativa de desmistificar a cultura que ainda vivemos de que uma educação tardia é normal.

“Os próprios pais são, muitas vezes, os responsáveis em não alimentar nos filhos o hábito de leitura, o que ocorre por eles mesmos não terem essa cultura, não possuírem conhecimentos adequados para garantir qualidade na formação de suas crianças”, colocou Mary Ferreira, bibliotecária e professora da Universidade Federal do Maranhão.

No dia 24 de maio de 2010, ainda na gestão de Luís Inácio Lula da Silva, foi promulgada a Lei nº 12.244 que trata da universalização das bibliotecas escolares nas instituições de ensino brasileiras, tornando obrigatória a existência desses espaços nas instituições de ensino públicas e privadas, respeitando a profissão do bibliotecário (a) no prazo de dez anos.

Em 2010 o número de escolas de nível fundamental com bibliotecas era de 35% e, no ensino médio, de 72%, havendo apenas um ponto percentual de melhoria em cada nível de ensino. É no Ensino Fundamental que a falta de bibliotecas escolares é mais evidente: apenas 30% das escolas públicas oferecem o equipamento nessa etapa de ensino e 43% dos alunos estudam sem ela. Em âmbito nacional as escolas municipais são as mais deficitárias contam com apenas 22% com bibliotecas e acervos organizados.

A Rede Estadual de Educação do Estado do Maranhão, de acordo o Censo Escolar, conta com 495 bibliotecas distribuídas em 78 na área rural e 417 na área urbana. É no Maranhão que encontramos a segunda maior taxa de analfabetos segundo o PNAD com um total de 19,9%, perdendo apenas para o Estado de Alagoas com um total de 21,7%. Para o bibliotecário e doutorando da Universidade Federal do Maranhão, Carlos Wellington, tais dados se devem a diversos fatores sociais, sendo fundamental o debate de se trabalhar a leitura desde a infância, incentivando as crianças para formação de caráter, de cidadão através da leitura.

Após diversas discussões calorosas sobre o tema, o vereador Ricardo Diniz se colocou a disposição para criação de uma Frente Parlamentar de discussão da criação do Plano Municipal do Livro Leitura Literatura e Bibliotecas de São Luís.

 

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.