Infraestrutura de instituições de educação básica é área que mais sofre com bloqueio de orçamento do MEC, mostra Todos Pela Educação

Bloqueio de R$ 3,6 bilhões da pasta foi decretado pelo presidente Jair Bolsonaro em maio. Na educação básica, verba congelada soma mais de R$ 1 bilhão.

O bloqueio de R$ 3,6 bilhões no orçamento do Ministério da Educação (MEC), estipulado em decreto editado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) em 30 de maio, vai afetar ações voltadas à infraestrutura de instituições de educação básica em 2022. É o que mostra uma nota técnica publicada pelo Todos Pela Educação nesta quinta-feira (23).

Pelas contas da entidade, só na educação básica, o bloqueio foi de mais de R$ 1 bilhão, sendo que R$ 817 milhões saíram das despesas discricionárias da área (aquelas que o gestor pode definir como aplicar, como contas de água e telefone, contratos de segurança e manutenção) e R$ 200 milhões, das emendas de relator do Orçamento da União (verba repassada pelo relator a pedido de parlamentares, mas sem justificativas formais).

Do valor bloqueado, proporcionalmente, as ações mais afetadas serão aquelas voltadas ao apoio à infraestrutura da educação básica, como construções, ampliações, reformas de escolas e aquisição de equipamentos. De acordo com o documento, 29% de toda a verba que seria direcionada a estas ações foi bloqueada (cerca de R$ 200 milhões).

Houve o congelamento de parte do orçamento que seria aplicado em ações de apoio ao desenvolvimento da educação básica, bolsas da educação básica, exames e avaliações, livros e materiais didáticos, entre outros.

MEC foi procurado para comentar sobre o impacto do bloqueio orçamentário da pasta, mas não se manifestou até a última atualização desta reportagem.

Verba é gerida pelo FNDE, palco do escândalo do MEC

A verba que seria usada em apoio à educação básica, produção de livros didáticos e aquisição de equipamentos e ônibus escolares é gerida pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), por meio do Plano de Ações Articuladas (PAR).

O órgão, que é responsável por executar políticas educacionais do Ministério da Educação, é palco de uma polêmica que levou à prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e de dois pastores que estariam envolvidos em um esquema para liberação de verbas do pasta. Eles acabaram depois soltos por uma decisão da Justiça.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.