Vidal admite ter bebido e se desculpa por acidente de carro: “Envergonhado”

Logo depois de ser liberado em audiência realizada nesta quarta-feira, em Santiago, Arturo Vidal pediu desculpas pelo acidente de carro provocado na noite de terça sob efeito de álcool. Chorando, o jogador da seleção chilena deu um depoimento curto, confirmou que foi ao Cassino Moticello e que bebeu durante a noite, e se disse envergonhado pelo acontecido. O atleta bateu sua Ferrari acompanhado da esposa Maria Teresa Matus, mas ninguém ficou gravemente ferido.

– Eu peço desculpas a todos, esse acidente foi culpa minha. Ontem fui ao cassino e tomei umas bebidas. Pus em risco a minha vida e a de minha mulher, pus em risco a vida de muitas pessoas. Estou muito arrependido disso e quero agradecer as pessoas que me apoiaram. Quero me desculpar com meus companheiros e com todo o país. É muito difícil falar, mas estou muito envergonhado por tudo o que aconteceu. Eu errei com todos e tratarei de dar o máximo. Esta oportunidade que está sendo me dada é por algum motivo – afirmou Vidal, que está mantido na seleção chilena que disputa a Copa América.

MAIS: Expulso de coletiva, representante de vítimas critica Vidal: “Mau exemplo”

Na audiência, Vidal se livrou de ter problemas sérios com a justiça. O tribunal decidiu que o meia terá de ir ao consulado de Milão, na Itália – país onde atua o atleta, pelo Juventus – uma vez por mês até que saia a decisão final. O prazo é de 120 dias. Durante esse período, Vidal ficará sem sua carteira de motorista.

SAIBA: Conversa entre Vidal e policiais: “Me algeme, mas você vai c… todo o Chile”

De acordo com informações do jornal “El Mercurio”, do Chile, Vidal teve detectado 1,2 gramas de álcool por litro no sangue, após o acidente. Pela lei “Emilia”, vigente pela Comissão Nacional de Segurança de Trânsito do país, uma pessoa flagrada com mais de 0,8 gramas de álcool por litro no sangue é considerada em estado de embriaguez. Mas a ministra da Justiça do Chile, Javiera Blanco, descartou a aplicação da lei nesse caso, justificando que não houve lesões graves, nem fuga do jogador.

– Lei justa não é lei dura. É o mesmo Código Penal e mesma norma que rege para todos os chilenos – afirmou.

Enquanto Vidal se encaminhava para o tribunal, o técnico Jorge Sampaoli se reunia com Sergio Jadue, presidente da Associação Nacional de Futebol Profissional do Chile (ANFP), na sede da entidade, para definir se Vidal seguiria com o grupo ou seria cortado. O anúncio da permanência do jogador com a delegação no Chile foi feito pelo próprio treinador, em entrevista coletiva, após a audiência.

 

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.