Transferência de presos será discutida entre SSP e Corregedoria de Justiça

A cúpula da Secretaria de Segurança Pública e a Corregedoria de Justiça do Maranhão se reúnem na manhã desta terça-feira (7), na capital maranhense. Em discussão, a  transferência dos principais líderes de facções criminosas no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís. Os juízes das Varas de Execuções Penais, Roberto de Paula e Fernando Mendonça participam da reunião.

O Governo do Maranhão decidiu aceitar o auxílio oferecido pelo Ministério da Justiça para transferência dos presos. Ao todo, foram ofertadas 25 vagas nessas unidades prisionais. O governo irá transferir os principais líderes de facções criminosas do complexo. No total, 16 pessoas já foram presas, suspeitas de participar dos atentados ocorridos na última sexta-feira (3).

Prisões Domingo

Foram presos Hilton John Alves Araújo, 27 anos, conhecido como Praguinha; Jorge Henrique Amorim Martins, 21 anos, conhecido como Dragão, Wilderley Moraes, 25 anos, conhecido como Paikan; Diego da Silva do Carmo, 20 anos, conhecido como Mocozinho; Francisco Antônio Lobato Júnior, 26 anos, conhecido como Frazão; Rogenilson Boaventura Brito, 22 anos, conhecido como Pelado; Luis Gustavo do Nascimento, 18 anos, conhecido como Melônio; e Ismael Caldas de Sousa, 25 anos, conhecido como Piranha.

Na Madrugada de Segunda-Feira

Policiais do Serviço de Inteligência da Polícia Militar (SI-PM) prenderam na mnadrugada de segunda-feira (6), mais três suspeitos de participação no ataque incendiário a ônibus na Vila Sarney Filho, município de São José de Ribamar, na noite de sexta-feira (3). A PM também apreendeu outros três adolescentes, um deles reconhecido como o que jogou gasolina sobre cinco pessoas que estavam no coletivo, entre elas duas crianças irmãs, uma de 1 ano e outra de 6 anos, o que provocou, inclusive, a morte da mais velha.

Larravardiere Silva Rodrigues de Sousa Júnior, conhecido como Júnior Preto, de 31 anos; Julian Jefferson Sousa da Silva, de 21 anos, e Sansão dos Santos Sales, de 19 anos, foram presos, por volta das 6h, em suas casas, na Vila Sarney Filho. Também foram apreendidos, naquela mesma localidade, outros três adolescentes suspeitos de participação nos ataques incendiários, um de 15 anos, que confessou tudo, outro de 16 anos e o mais velho de 17 anos, que foi conduzido para a delegacia de Polícia Civil com os lábios e o braço esquerdo queimados.

Atentados

Na noite da última sexta-feira (3), quatro coletivos foram incendiados, uma delegacia foi alvo de um atentado, cinco pessoas foram vítimas de tentativa de homicídio e o sargento reformado da PM Antônio César Serejo morto.

Internadas

Quatro pessoas continuam internadas vítimas de atentado a ônibus ocorrido na última sexta-feira (3), na Vila Sarney. Lorrane Beatriz Santos, de um ano e cinco meses continua internada no Hospital Estadual Infantil Juvêncio Matos. Segundo informações, a criança apresenta queimaduras em 20% do corpo, nas pernas e braço esquerdo. O quadro dela é estável. Lorrane encontra-se em leito de isolamento da enfermaria pediátrica. A mãe, Juliane Carvalho Santos, de 22 anos, está com 40% de área queimada, permanece internada em unidade intermediária do Hospital Tarquínio Lopes, na unidade hospitalar de referência para tratamento de queimados na capital, onde foi submetida a curativo cirúrgico nesse domingo (5).

Abiancy Silva dos Santos, de 35 anos, está internada na enfermaria do Tarquínio Lopes (Hospital Geral), com queimadura de segundo grau em membro superior direito e abdômen, quadro clínico estável e também passou por procedimentos cirúrgicos nesse domingo (5).

Já Márcio Ronny da Cruz Nunes, de 37 anos, tem queimaduras em 72% de seu corpo e está internado na UTI do hospital, em estado grave. Márcio é apontado como um herói por ter sido ele quem retirou a menina de seis anos de dentro do ônibus incendiado na Vila Sarney.

Óbito

Entre as vítimas dos atentados a ônibus em São Luís, Ana Clara Sousa Santos, de seis anos, morreu na manhã desta segunda-feira (6), no Hospital Estadual Infantil Juvêncio Matos. Ana Clara é irmã de Lorrane Beatriz Santos, de um ano e cinco meses, também, vítima da ação criminosa.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.