Secretário de Saúde cobra do Ministério da Saúde compra de 54 milhões de doses da CoronaVac

Fonte: SES
Texto: Evelin Queiroz
Fotos: Ascom Conass

“A nossa preocupação agora tem de ser imunizar, no menor tempo possível, a maior quantidade de pessoas”, alertou o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, durante a 1ª reunião ordinária da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), na última quinta-feira (28). A preocupação do gestor da saúde do Maranhão é com 54 milhões de doses da CoronaVac oferecidas pelo Instituto Butantan ao Ministério da Saúde, sem previsão de compra imediata. 

Na quinta-feira (28), o Brasil atingiu 1.386 mortes em 24 horas causadas pela Covid-19. Para o secretário e presidente do Conass, quanto mais célere a vacinação, mais rapidamente o país vencerá a pandemia. “O relato dos estados sobre o crescimento de casos e a velocidade de transmissão tem trazido grande preocupação. É muito ruim este momento de incerteza sobre a aquisição de novas vacinas para dar continuidade à campanha e proteger a população desta nova onda”, disse Carlos Lula. 

Presente na reunião, o coronel Hélcio Franco, assessor executivo do Ministério da Saúde, informou que existe uma cláusula no contrato com o Instituto Butantan impedindo compras de novas doses. “O Butantã precisa entregar todas as 46 milhões de doses já adquiridas até 30 de abril. Segundo o contrato, após a entrega do último lote, o Ministério tem até 30 dias para se manifestar se ele fará a compra de mais 54 milhões de doses. Ou seja, em maio. Nós continuamos negociando com vários outros laboratórios. A gente conseguindo vacinas o quanto antes, será melhor”, informou.

O presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Williames Bezerra, chamou atenção para medidas a serem adotadas por estados e municípios caso o Ministério não adquira as novas doses. “O que nós precisamos destes dois Institutos [Butantan e Fiocruz] é carga máxima na produção de vacinas. Se o Governo Federal decidir que não vai comprar 54 milhões de doses de vacinas, os estados e os municípios compram. Mas nós acreditamos que a palavra do general Pazuello, o ministro da Saúde, será cumprida que é toda produção do Butantan ser adquirida pelo Ministério da Saúde e vir para o Sistema Único de Saúde [SUS], a produção da Fiocruz também”, relembrou.

A CIT é mensal e reúne Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems) para discussão das principais pautas do Sistema Único de Saúde.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.