Policia conclui que mãe e padrasto beberam sangue da criança durante ritual de magia negra

A Polícia Civil encerrou, nessa quarta-feira (11), o inquérito criminal que investigava a do garoto Ewerton Siqueira, 5 anos, que teria sido assassinado em um ritual de magia negra. O menino estava desaparecido desde o dia 11 de outubro, mas o corpo dele foi achado aberto dois dias depois, dia 13,em um matagal na cidade de Sumé, no Cariri do estado a 246 km de João Pessoa. O documento foi enviado à justiça que deverá julgar o caso. Quatro pessoas foram indiciadas pelo crime. Durante a execução do crime, a mãe e o padrasto teriam bebido o sangue da vítima.

O delegado seccional do Cariri, João Joaldo, disse a uma equipe do  Portal Correio,158307,362,80,0,0,362,271,0,0,0,0 4543197_x240 que a mãe Laudenice dos Santos Siqueira, 22, o padrasto Joaquim dos Santos, 31, o ex-presidiário Denivaldo dos Santos, 37, e o suposto pai de santo, Wellington Soares Nogueira, 41 anos, vão responder criminalmente por homicídio duplamente qualificado por motivo torpe, sem que a vítima tenha recurso para defesa. A pena varia entre 12 e 30 anos.

“No depoimento dados a nossa equipe, o ex-presidiário revelou em depoimento que o padrasto e a mãe do garoto beberam o sangue do menino durante o ritual de magia negra. Outro ponto relatado foi que a mãe da criança teria uma entidade espiritual que pedia o sacrifício de crianças com a extração do sangue para ter proteção e poder”, falou o delegado.

Ainda de acordo com o delegado, os quatro também vão responder pelos crimes de ocultação de cadáver (pena de 1 a 3 anos), denunciação caluniosa (pena de 2 a 8 anos), vilipendio a cadáver (quando há extração de órgão do corpo humano com pena de 1 a 3 anos) e associação criminosa ( pena de 1 a 3 anos).

O padrasto da criança, Joaquim Nunes dos Santos, também vai responder pelo crime de falsidade ideológica (pena de 3 meses a 1 ano). “Quando foi preso ele se apresentou como sendo Daniel Ferreira para despistar a polícia, tendo em vista que o padrasto era foragido da justiça. Joaquim também vai responder pelo homicídio do deficiente mental que foi preso suspeito do crime e estava na mesma cela”, revelou João Joaldo.

Os homens estão recolhidos no Presídio PB1 e a mulher na Penitenciária Feminina Julia Maranhão, ambas unidades prisionais ficam em João Pessoa.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.