Operação Praia Segura

  • Bombeiros orientam banhistas sobre riscos de caravelas

Queimaduras, vômitos, desmaios, convulsões e arritmia cardíaca são apenas alguns dos sintomas causados pelo contato da pele com as caravelas. Estes animais marinhos, também conhecidos como águas-vivas, têm aparência exótica atraindo atenção, principalmente das crianças, mas que podem causar sérias reações se tocadas. Neste período de férias, onde há um maior número de frequentadores nas praias, o Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBMMA) alerta para o cuidado com as caravelas.

No ano passado, foram registrados 46 casos envolvendo caravelas, maior parte queimaduras, tendo como principais vítimas as crianças. “Esse período é comum os registros de casos de queimaduras pelo contato com as caravelas. As pessoas se deixam atrair pela aparência deste animal marinho e esquecem do risco de um acidente grave. Os ventos fortes e as altas temperaturas são fatores contribuintes para seu aparecimento. Toda atenção é importante para evitar contato direto”, alerta o chefe da seção de comunicação do CBMMA, major José Lisboa.

Para informar, orientar e alertar os banhistas, o CBMMA promove a operação Praia Segura, que entre outras atividades, orienta sobre os riscos do contato com as caravelas. Caso ocorra, o militar orienta sair da água imediatamente, lavar o local afetado com vinagre por pelo menos dez minutos e remover os tentáculos que tenham ficado no corpo, sempre utilizando uma proteção que pode ser sacos ou luvas. “Nunca tocar nos tentáculos e tratar o local atingido imediatamente e permanecendo os sintomas, procurar ajuda médica”, enfatiza o major José Lisboa. 

É importante que as crianças, principais vítimas, conheçam o animal marinho e saibam dos riscos, para que não toquem ao vê-los, alerta Lisboa. As caravelas ou águas-vivas têm 98% do corpo formado por água, se assemelham a uma bexiga e costumam ficar parte acima do nível da água. Seus tentáculos podem chegar a 30 metros de comprimento. É deles que saem as toxinas causadoras das queimaduras e dores. O contato com este animal causa ainda, náuseas, câimbras, problemas respiratórios, calafrios, choque, febre, dentre outros sintomas.   

O período de reprodução destes espécimes se dá no segundo semestre do ano, encerrando em novembro. Portanto, nos próximos meses, a população de caravelas estará formada e em pontos diversos das praias, sendo mais comuns na maré cheia. Durante a operação Praia Segura, o efetivo do Batalhão de Bombeiros Marítimo (BBMar), realiza rondas e faz atendimentos nos diversos postos distribuídos nas praias da capital e demais localidades da Região Metropolitana.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.