Novo delator diz que Aécio indicou antecessor de Duque na Petrobras

O ex-deputado federal Pedro Corrêa afirmou em depoimentos para firmar acordo de delação premiada que Aécio Neves (PSDB-MG) foi responsável pela indicação do antecessor de Renato Duque na Diretoria de Serviços da Petrobras durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Segundo Corrêa, o indicado era Irany Varella, que era responsável por arrecadar propina com empresários.

Os depoimentos de Corrêa já foram prestados, mas a delação ainda não foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). São mais de 70 anexos de colaboração. Se o acordo for aceito, Corrêa pagará multa e poderá passar a cumprir prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica.

Em um destes anexos, Corrêa diz que tanto partidos da base aliada, quanto os da maior parte da oposição, eram “devedores aos empresários que financiavam suas eleições”. Desta forma, os diretores da Petrobras indicados pelos políticos “facilitavam os seus negócios e cobravam propina para distribuir aos partidos políticos”.

“No governo de Fernando Henrique Cardoso, por exemplo, o Diretor de Serviços era Irany Varella, indicado na época pelos deputados Aécio Neves (PSDB-MG), Alexandre Santos (PMDB-RJ), e Paulo Feijó (PMDB-RJ)”, afirmou o ex-parlamentar. O operador de Varella, de acordo com Corrêa, era um genro que consegui a propina com os empresários para distribuir entre os padrinhos políticos.

Conforme Corrêa, Irany Varella foi substituído no governo Lula por Renato Duque na Diretoria de Serviços. Duque já foi condenado a mais de 50 anos de prisão em três processos de primeira instância na Operação Lava Jato, e ainda é réu em outras ações penais. O juiz Sérgio Moro o condenou pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e associação criminosa pela atuação dele na diretoria da estatal.

O que diz Aécio Neves
Em nota, o senador tucano afirmou que a afirmação é falsa e absurda. Leia na íntegra:

As afirmações são falsas e absurdas. O senador Aécio Neves não fez a indicação mencionada. O delator é desprovido de qualquer credibilidade. É preciso que se aprofundem as investigações sobre as motivações daqueles que têm mentido em suas delações premiadas. A reputação de pessoas não pode ficar refém da inescrupulosa conveniência de delatores.”

Delações contra Aécio
O senador Aécio Neves já foi citado em outros depoimentos de delatores da Lava Jato, mas esta é a primeira vez que ele é vinculado a um esquema de corrupção na Petrobras.

O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado contou a investigadores que Aécio Neves recebeu R$ 1 milhão em recursos ilícitos e em dinheiro para a campanha eleitoral que o elegeu deputado federal em 1998. Segundo o executivo, o tucano foi o candidato que recebeu a maior parcela de cerca de R$ 7 milhões de reais arrecadados de forma ilegal à época para eleger o maior número possível de deputados federais do PSDB.

No depoimento, Sérgio Machado também disse ter ouvido do ex-ministro das Comunicações Sérgio Motta, morto em 1998, que Aécio era padrinho do ex-diretor de Furnas Dimas Toledo. “Todos do PSDB sabiam que Furnas prestava grande apoio ao deputado Aécio”, afirmou.

Segundo Machado, Toledo também teria contribuído com recursos para a eleger a bancada do PSDB em 1998 e que parte do dinheiro para a eleição de Aécio à presidência da Câmara em 2000 veio de Fumas, subsidiária da Eletrobras na produção de energia elétrica.

Em delação premiada, o senador cassado Delcídio do Amaral também disse ter ouvido dizer queAécio receberia propinas por intermédio de Dilmas Toledo, a partir de dinheiro desviado em contratos com empresas terceirizadas.

A suspeita levou à abertura de inquérito sobre o senador, sob relatoria do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Sobre esse caso, a defesa de Aécio nega o recebimento de propinas. Alega que os delatores apenas teriam ouvido falar do envolvimento do nome do senador em corrupção em Furnas, “sem conhecimento pessoal de fatos”.

No acordo de delação premiada, Delcídio do Amaral também afirmou que os dados fornecidos pelo extinto Banco Rural à CPI dos Correios atingiriam o senador Aécio Neves “em cheio” se não tivessem sido “maquiados” pela instituição financeira.

Em seu depoimento, Delcídio disse que, quando a CPI dos Correios autorizou a quebra de sigilo de pessoas e empresas, entre elas o Banco Rural, surgiu “certo incômodo” por parte do PSDB, incluindo o então governador Aécio Neves.

Ainda segundo Delcídio, Aécio enviou emissários à CPI para que o prazo de entrega das quebras de sigilo fosse “delongado”, sob a justificativa de que não haveria tempo hábil para preparar as respostas à comissão.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.