Leonardo Del Vecchio, dono da Ray-Ban, morre aos 87 anos

Leonardo Del Vecchio, o empresário italiano que fez de uma pequena ótica nas montanhas de Dolomite um império global de óculos, morreu nesta segunda-feira aos 87 anos.

Sua morte foi confirmada em Paris pela EssilorLuxottica, empresa que fundou e se tornou internacionalmente conhecida pela marca Ray-Ban.

Funcionalismo público: Bolsonaro diz que reajuste para servidores da PF e PRF foi suspenso porque greve das demais categorias iria ‘parar o Brasil’

Em ano eleitoral: Governo quer brecar cobrança extra de participantes de fundos de pensão de estatais

Criado num orfanato em Milão, Del Vecchio se estabeleceu na cidade de Agordo, nas montanhas ao Norte de Veneza, e começou a vida como um pequeno fornecedor de peças de armação para fabricantes locais de óculos.

Sob o comando de Del Vecchio, a gigante de óticas que acabou se formando sob a EssilorLuxottica fez uma série de aquisições para se tornar uma líder global. Ray-Ban e Oakley foram algumas das marcas que se tornaram alvos do empresário em seu caminho rumo ao topo do setor.

A onda ‘Pantanal’: Sucesso na TV, novela estimula de venda de berrante e roupa de ‘oncinha’ a corte de cabelo de ‘Juma’

A fortuna de Del Vecchio é avaliada em US$ 25,7 bilhões, segundo o índice de bilionários da Bloomberg.

O magnata detinha uma participação de controle de 32% na EssilorLuxottica, que foi formada a partir da fusão, em 2018, de sua Luxottica SpA com a fabricante francesa de lentes Essilor.

A empresa, que produz armações para marcas do mundo da moda como Armani e Prada, além de possuir marcas como a Ray-Ban, tem mais de 180 mil funcionários, operações em todo o mundo e presença nos setores de luxo e tecnologia médica. A EssilorLuxottica é a maior varejista de óculos do mundo e sua maior produtora de lentes corretivas.

Beleza é essencial: Setor de cosméticos ignora crise, e vendas de maquiagem saltam 18%

Tímido e discreto

Tímido e reservado por natureza, Del Vecchio passou décadas evitando cuidadosamente os holofotes da mídia. Durante uma rara conversa com um repórter no início deste ano, ele foi questionado sobre como construiu seu império, respondeu:

-Sempre me esforcei para ser o melhor em tudo o que faço – é isso.

Descrevendo o impulso que o levou ao topo, ele disse simplesmente:

-Eu nunca conseguia o suficiente.

Fraude: Acordo para recuperar perdas de poupadores nos planos Collor, Bresser e Verão vira alvo de golpes

Além de uma participação de controle na EssilorLuxottica, a Delfin, da Del Vecchio, também tinha participações em empresas financeiras italianas como Mediobanca SpA, Assicurazioni Generali SpA e UniCredit SpA.

Da pobreza em Milão ao sucesso

Nascido em 22 de maio de 1935, Del Vecchio cresceu pobre em Milão. Incapaz de cuidar de seu filho, sua mãe – que ficou viúva cinco meses antes de ele nascer – o enviou para um orfanato quando tinha sete anos de idade. Ele começou a trabalhar como aprendiz de um fabricante de ferramentas e corantes em Milão quando tinha 14 anos.

Del Vecchio mudou-se para Agordo na década de 1960 e iniciou um pequeno negócio fabricando armações de óculos projetadas por outros. Fundou a Luxottica em 1961 com uma dúzia de trabalhadores. A empresa começou a produzir seus próprios projetos no final da década de 1960 e, na década de 1980, Del Vecchio começou a comprar empresas nos Estados Unidos. Em 1999, ele comprou a Ray-Ban por US$ 640 milhões.

Ação planejada: Criminosos levaram 4 minutos para atacar cofre e roubar relógios de luxo no Rio

No início de sua carreira, Del Vecchio disse que “colocava o trabalho acima de tudo”, dedicando pouco tempo aos filhos.

-A fábrica se tornou minha verdadeira família – disse, acrescentando que compensou parte do tempo perdido nos últimos anos, passando tempo com sua família em Milão ou em suas casas na Côte d’Azur, na França, e na ilha de Antígua.

O objetivo final de Del Vecchio, disse ele no que seria sua entrevista final, era empurrar a EssilorLuxottica para o clube exclusivo de empresas avaliadas em mais de 100 bilhões de euros (US$ 107 bilhões).

Ele era o maior acionista do banco de investimentos Mediobanca, com uma participação de pouco menos de 20%, e um dos principais investidores da Generali, a maior seguradora da Itália. Del Vecchio foi parte fundamental de um grupo de investidores que tentou, sem sucesso, expulsar o CEO da Generali, Philippe Donnet, no primeiro semestre de 2022. No Mediobanca, ele periodicamente entrava em conflito sobre estratégia com o CEO Alberto Nagel.

O empresário disse que seus conflitos no setor financeiro resultaram no fato de pensar grande:

-Você precisa ser corajoso o suficiente para continuar fazendo as coisas, para seguir em frente.

Matéria Yahoo!

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.