Foliões relatam roubos e furtos de celulares durante blocos de carnaval em SP

Procurada, Secretaria da Segurança não respondeu.

liões relataram ter sido vítimas de roubos e furtos de celulares durante os desfiles dos blocos de carnaval de rua em São Paulo. O G1 ouviu vítimas, foi a delegacias e presenciou ladrões agindo em meio ao público no Centro da capital paulista.

Desde o sábado (25), a reportagem percorreu as principais delegacias das regiões por onde passam blocos de carnaval de rua. A equipe visitou o 4º Distrito Policial (DP), na Consolação, e o 78º DP, nos Jardins, ambos na área central, e o 14º DP, em Pinheiros, na Zona Oeste. Todos registraram furtos que tinham foliões como vítimas.

Policiais ouvidos pela reportagem disseram que estão fazendo relatórios com o balanço de crimes ocorridos durante o carnaval.

Questionada, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) não passou um balanço com o número de casos até a publicação desta matéria. Também procurada, a Polícia Militar (PM) informou que “não possui esses números”.

Relatos

Os relatos são semelhantes: nenhuma das vítimas percebeu o furto do celular na hora, tamanha a agilidade dos criminosos. Os relatos de roubos também foram vistos nas redes sociais.

Uma foliona foi furtada durante o desfile do bloco ‘Unidos do Swing’ na segunda-feira (27), no Centro. “Foi por volta das 19h, eu estava beijando meu namorado e alguém passou e levou meu celular que estava em uma bolsa de mão. Nem vi quem pegou”, disse a engenheira Valéria Ramb, que havia feito aniversário naquele mesmo dia. “Completava 25 anos e aconteceu isso”.

Valéria Ramb faz boletim de ocorrência eletrônico em delegacia em Pinheiros usando o celular do namorado: ela teve o telefone furtado  (Foto: Kleber Tomaz/G1)

Valéria Ramb faz boletim de ocorrência eletrônico em delegacia em Pinheiros usando o celular do namorado: ela teve o telefone furtado (Foto: Kleber Tomaz/)

O mesmo ocorreu com o professor João Luiz Fittipaldi, de 36 anos. Ele curtia o pré-carnaval no bloco ‘Baixo Augusta’, no último dia 19, quando teve o celular levado. “Estava na Rua da Consolação, falando com uns amigos para nos encontrarmos, e em um dado momento não achei meu celular no bolso. Não senti nada”, contou ele, que voltou a outros blocos mesmo depois do crime.

Outra vítima foi o estudante William Orima, de 22 anos. Ele diz que estava na concentração do ‘Domingo Ela Não Vai’, na Praça do Correio, na tarde do domingo (26), quando notou que já estava sem celular. “Estava sozinho, pouco acima do trio, quando começou um empurra-empurra estranho. Era uma galera que nem tava fantasiada, que não parecia estar ali pro bloco. Coloquei a mão no bolso na hora para sentir e não estava mais lá”, afirmou ele, que acabou desistindo de seguir o desfile.

Já a assistente administrativa Gabriela Rossi, de 26 anos, teve o celular dela e de uma amiga furtados na noite de terça (28), após acompanharem o bloco ‘Tô de Bowie’. “Triste. Saímos para ir ao banheiro, no meio do caminho fui olhar o zíper da bolsa e já estava aberto. Depois de um tempo, minha amiga foi pegar o dela na bolsa, e viu que não estava também. Dela levaram o celular e um óculos de sol”, relembra.

Internet

Diversos internautas também usaram as redes sociais para relatar casos parecidos. Os foliões mais bem-humorados criaram até um bloco chamado ‘Perdi meu Celular no Carnaval’, marcando amigos que passaram pelo menos infortúnio neste carnaval. Outros preferiram usar a internet para criticar o poder público e a falta de segurança nos desfiles.

Foliões também usaram a internet para relatar roubos e furtos de celulares durante o desfile dos blocos de carnaval de rua em São Paulo (Foto: Reprodução / Twitter)Foliões também usaram a internet para relatar roubos e furtos de celulares durante o desfile dos blocos de carnaval de rua em São Paulo (Foto: Reprodução / Twitter)

Foliões também usaram a internet para relatar roubos e furtos de celulares durante o desfile dos blocos de carnaval de rua em São Paulo (Foto: Reprodução / Twitter)

A assessora de comunicação Janaína Prado disse que que achou curioso ler nas redes sociais mensagens de pessoas que encontraram celulares e avisaram no face do bloco que queriam devolvê-los aos donos.

“O que achei curioso é que no Facebook do ‘Agrega’, se você procurar, vai encontrar muitas mensagens de gente que achou celular, documento e avisou pra devolver. Meu amigo foi furtado. Mas notei muita gente achando e postando na internet. Senti muita diferença”, relatou Janaína.

Preocupada com roubos e furtos de celulares, a comerciante Rosana de Santana, de São Bernardo do Campo, falou que foi aos desfiles dos blocos com um grupo de amigos, mas só dois deles trouxeram telefones por medida de segurança.

“Viemos só com dinheiro e habilitação. No grupo só dois estão com celular para fotos. Uma medida de segurança pra gente ficar mais tranquilo”, falou Rosana.

G1 furtado

Na última terça-feira, também durante o desfile do bloco ‘Tô de Bowie’ pelas ruas e avenidas do Centro da cidade, o G1 pôde presenciar a ação de criminosos. Um dos repórteres do portal foi um dos alvos e teve o celular da empresa levado, por volta das 18h, em frente ao Largo do Paissandú.

Os criminosos utilizavam uma tática já recorrente nos furtos do tipo: enquanto um empurra a vítima o outro aproveita para surrupiar o aparelho do bolso dela em um movimento que dura fração de segundo.

Ao menos quatro pessoas foram abordadas e revistadas por seguranças do “Tô de Bowie” após terem sido denunciadas por foliões que curtiam o bloco. Mas nada foi encontrado com os suspeitos e eles acabaram liberados em seguida – não sem antes receber o “carinho” dos funcionários responsáveis pela vigilância.

No percurso entre o Largo do Arouche e a Rua Conselheiro Crispiniano, o G1 avistou duas equipes da Polícia Militar (PM). Uma delas revistava um rapaz negro que, segundo uma denúncia, “estava causando confusão” no bloco, e a outra estava parada, perfilada em uma calçada. Questionada por volta das 16h sobre relatos de furtos no desfile, a segunda equipe disse que, até então, não havia nenhuma queixa do tipo. “Tudo tranquilo”, afirmou um dos policiais.

Policiais revistam folião na região da Avenida São João durante desfile do

Policiais revistam folião na região da Avenida São João durante desfile do “Tô de Bowie” (Foto: Will Soares/)

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.