Em reunião do Brics, Temer pede à China fim da sobretaxa ao frango e ao açúcar

O presidente Michel Temer afirmou nesta quinta-feira (26) em Joanesburgo, na África do Sul, que pediu ao presidente da China, Xi Jinping, o fim da sobretaxa ao frango e ao açucar do Brasil.

Temer chegou em Joanesburgo nesta quarta (26) para participar da 10ª Cúpula do Brics, grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O encontro vai até sexta-feira (27).

“Voltamos a tratar do aumento da cota de açúcar, do frango especialmente, pedimos a ele [presidente da China] que deixe um pouco de lado, digamos, a sobretaxa que houve em relação ao frango e ao açúcar. Que nós pudéssemos aumentar as nossas exportações”, afirmou o presidente.

Michel Temer (dir.) e os outros presidentes do Brics, bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, posam de mãos dadas durante o 10º encontro do grupo de economias emergentes em Joanesburgo, na África do Sul (Foto: Mike Hutchings/Pool via AFP)

Michel Temer (dir.) e os outros presidentes do Brics, bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, posam de mãos dadas durante o 10º encontro do grupo de economias emergentes em Joanesburgo, na África do Sul (Foto: Mike Hutchings/Pool via AFP)

Temer afirmou, ainda, ao líder chinês que o Brasil quer exportar para a China produtos processados derivados da soja, como o óleo e o farelo do grão. De acordo com o presidente, Xi Jinping recebeu a proposta.

“De igual maneira, vocês sabem que nós exportamos muita soja para a China, mas soja em grão. E o que nós queremos e, eu ressaltei isso a Xi Jinping, é mandar os elementos processados, ou seja, olho de soja e farelo de soja. O que naturalmente permite a industrialização no nosso país, e ele recebeu muito bem. Não senti resistência, vai mandar examinar, naturalmente. Basicamente foi isso”, disse.

Discurso em reunião plenária

Após a reunião com o presidente chinês, Temer participou da reunião plenária que reuniu os chefes de Estado e de governo dos países do Brics. O presidente do Brasil fez um novo discurso em favor da abertura comercial entre os países.

“Hoje a regra geral é essa: só somos competitivos quando somos abertos. Abertos a insumos sofisticados, a tecnologias mais avançadas, a ideias mais arejadas abertos, enfim, a mais investimentos e a mais comércio”, declarou.

Temer citou no discurso a aproximação do Mercosul (bloco composto por Brasil, Uruguai, Argentina e Paraguai) com outros países e blocos, como Coreia do Sul, Tunísia, Marrocos, Singapura, Canadá e a Associação Europeia de Livre Comércio.

O presidente voltou a dizer que “nunca” esteve “tão perto” a conclusão do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia. Temer também citou a declaração conjunta assinada na última terça (24), no México, entre o Mercosul e a Aliança do Pacífico (México, Colômbia, Chile e Peru) para incentivar a cooperação entre os blocos latinos.

“Com os nossos sócios do Mercosul, resgatamos a ideia do livre mercado, que movia o bloco desde sua origem. Novamente estamos eliminando barreiras, ao invés de erguê-las”, disse.

Temer ainda abordou em parte do discurso a Quarta Revolução Industrial, que tem entre seus pilares o avanço de tecnologias digitais. O presidente disse que, neste contexto, o “ativo maior” de um país “é a capacidade de seus cidadãos de assimilar conhecimentos e articulá-los de forma pertinente ágil e criativa”.

Discussões na África do Sul

A cúpula dos países do Brics vai até sexta-feira em Joanesburgo. O governo brasileiro espera que a cúpula avance nas negociações para a abertura de um escritório regional do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), o banco do Brics. A sede deve ser instalada em São Paulo, com uma unidade em Brasília, segundo Félix da Nóbrega.

O NDB foi fundado pelos países do Brics durante a sexta cúpula do grupo em Fortaleza, em julho de 2014 e foi inaugurado formalmente em Xangai em julho de 2015. A instituição foi criada com o objetivo de financiar projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentado nos países do Brics e outras economias emergentes e países em desenvolvimento.

Os países do Brics também devem acertar durante a cúpula um memorando para fortalecer o intercâmbio de boas práticas na área de aviação regional. Outro memorando previsto visa a troca, sem custo comercial, de imagens de satélite entre os integrantes do grupo. FONTE G1

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.