Elas seriam abortadas por mães desesperadas:Mais de 100 crianças são adotadas por pedreiro

Se você já ouviu falar em compaixão e solidariedade, veja a história deste homem, que é pai de mais de 100 crianças. O pedreiro vietnamita Tong Phuoc Phuc salvou a vida de dezenas de bebês que seriam abortados nos últimos anos.

Phuc abriu as portas da própria casa parae50401185831ca99ad5868e8755ca58e que essas gestantes tivessem onde ficar e se ofereceu para adotar os bebês que elas não quisessem. Desde então, ele adotou mais de cem bebês que seriam abortados e conseguiu que, com o tempo, muitas dessas mães voltassem para buscar os filhos quando estivessem em melhores condições.

Todos os bebês que Phuc adota, se são meninos, tem o nome de Vihn (que significa “Honra”), e se são meninas, são chamadas de Tam (que é “Coração”).
O segundo nome é sempre o da mãe, ou da cidade de origem dela – caso a mãe retorne; e o sobrenome é Phuc, que é o dele, pois ele considera todos como seus próprios filhos. Ele diz que “essas crianças agora têm um lar seguro. Eu estou disposto a ajudar e a ensiná-las a serem boas pessoas”.

Se você já ouviu falar em compaixão e solidariedade, veja a história deste homem, que é pai de mais de 100 crianças. O pedreiro vietnamita Tong Phuoc Phuc salvou a vida de dezenas de bebês que seriam abortados nos últimos anos.

Phuc abriu as portas da própria casa para que essas gestantes tivessem onde ficar e se ofereceu para adotar os bebês que elas não quisessem. Desde então, ele adotou mais de cem bebês que seriam abortados e conseguiu que, com o tempo, muitas dessas mães voltassem para buscar os filhos quando estivessem em melhores condições.

Todos os bebês que Phuc adota, se são meninos, tem o nome de Vihn (que significa “Honra”), e se são meninas, são chamadas de Tam (que é “Coração”).

O segundo nome é sempre o da mãe, ou da cidade de origem dela – caso a mãe retorne; e o sobrenome é Phuc, que é o dele, pois ele considera todos como seus próprios filhos. Ele diz que “essas crianças agora têm um lar seguro. Eu estou disposto a ajudar e a ensiná-las a serem boas pessoas”.Continuarei a fazer esse trabalho até meu último suspiro de vida, e encorajo meus filhos a continuarem ajudando outras pessoas desprivilegiadas” conta o pedreiro.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.