DEPÓSITO JUDICIAL | CGJ-MA implanta sistema para gerenciar fluxo de bens depositados judicialmente

 O controle dos bens apreendidos em processos judiciais ou investigações policiais na comarca da Ilha de São Luís passará a ser feito eletronicamente, por meio do sistema Gestor de Guarda de Bens Apreendidos, idealizado pela Assessoria de Informática da Corregedoria Geral da Justiça. O funcionamento da ferramenta foi apresentado pela chefe da Assessoria, Danielle Mesquita, ao corregedor-geral da Justiça, desembargador Marcelo Carvalho, durante visita ao Depósito Judicial na sexta-feira (25).

Em fase de implantação, o sistema foi criado pelo chefe anterior da Assessoria de Informática, George Raposo, e desenvolvido pela Diretoria de Informática do TJMA. A ferramenta permite o controle, organização e localização dos materiais guardados no Depósito Judicial – que recebe objetos apreendidos de todas as varas criminais, cíveis, juizados e central de inquéritos dos quatro termos judiciários da comarca da Ilha (São Luís, Raposa, Paço do Lumiar e São José de Ribamar) e das delegacias que enviam bens vinculados a processos judiciais.

As informações sobre todos os materiais já depositados e aqueles que chegarem ao local serão cadastradas no sistema, inclusive com registro fotográfico, para comprovação do estado dos objetos nas datas de entrada e saída. O registro também vai facilitar o levantamento de informações necessárias ao juízo onde tramita o processo.

Segundo a chefe da Assessoria de Informática, o papel do sistema será gerenciar a entrada, depósito e saída dos materiais que estão sob a guarda do Judiciário, de forma a garantir a segurança e preservação dos objetos de acordo com a sua natureza. “O sistema está disponível para outras unidades do Poder Judiciário que possuem depósitos ou guarda de bens apreendidos e precisam organizar melhor esse material”, informa.

DESTINAÇÃO – A necessidade de implantação de um sistema eletrônico para controle e organização dos bens foi identificada pelo corregedor-geral durante visita ao Depósito no ano passado, quando também providenciou as medidas necessárias para garantir uma destinação adequada aos materiais e processos físicos arquivados que ocupam os fóruns e depósitos judiciais em todo o Estado.

A matéria foi regulamentada por meio do Provimento Nº 16/2018, estabelecendo que os materiais apreendidos pelas unidades judiciais de 1º Grau poderão ser destinados a depósito, doação, destruição ou alienação antecipada (art. 144-A do CPP). Ao receber a informação de que bens e objetos relacionados a fatos criminosos foram apreendidos pela autoridade policial – nos quais intervenham ou devam intervir os juízos de primeiro grau do Poder Judiciário do Estado do Maranhão -, o juiz de direito deve decidir a respeito de sua destinação imediata.

Para o corregedor, é importante garantir tanto a organização quanto uma destinação adequada a todos os materiais apreendidos, de forma a evitar a deterioração ou extravio dos bens e prejuízos às partes processuais. “A grande quantidade de materiais e processos antigos depositados causa problemas tanto de lotação do espaço físico quanto de insalubridade aos servidores que atuam no local”, observa.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.