Corte de energia em condomínio inacabado no Bequimão gera revolta

 

 

De acordo com a Cemar, as ligações irregulares foram retiradas por gerarem condição insegura para os moradores.

 

 

Um condomínio inacabado no Bequimão foi palco de grande confusão na tarde desta quinta-feira (23), durante operação que envolveu cerca de 700 membros da Polícia Civil, Militar, Corpo de Bombeiros e outros profissionais. A operação para cumprimento de 237 mandados de busca e apreensão resultou na prisão de Luan Alexandre da Silva, apontado como chefe de organização criminosa que atua em São Luís. Apesar da polícia sustentar que a operação e suas nuances buscam inibir a violência local, uma revolta foi gerada nos moradores quando técnicos da Companhia Energética do Maranhão (CEMAR) cortaram a energia local e retiraram os fios de eletricidade ali instalados. Os prédios inacabados existem desde 2005, por programas federais, e atualmente se encontram sob poder da prefeitura de São Luís.

Os moradores chegaram a fechar algumas ruas do bairro em protesto à situação.

A dona de casa, Débora Fernanda, grávida de seis meses, foi uma das que protestavam. “Não sei como vai ser hoje. Preciso dormir com a ajuda de aparelhos. A unidade mista fica longe de casa. Eles não pensam nas crianças que tem aqui. A gente não quer nada de ninguém, só ganhar nossos direitos. Se for para pagar, a gente paga, mas fazer o que eles fizeram?! Foram 4 mil reais em fios que a gente tirou da boca dos nossos filhos”, diz ela.

Por meio de nota, a Cemar esclareceu que fez a retirada das ligações irregulares (clandestinas) na área, “por estarem gerando uma condição insegura para os moradores, podendo ter um acidente com energia elétrica a qualquer momento”. A companhia também alegou que, em casos de ocupação irregular, só realiza ligações mediante resolução da pendência sobre a situação fundiária da área. “A Cemar depende de uma solicitação formal por meio dos órgãos competentes e a regularização definitiva da situação da área”, diz a nota.

Os prédios existem desde 2005 e já passaram  por, pelo menos, dois programas do governo federal. A Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação (Semurh) informa que as obras da península do Ipase fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), de responsabilidade da Prefeitura, por meio da Semurh. A Secretaria esclarece que, atualmente, o projeto está em fase de revisão junto à Caixa Econômica Federal, que é o ente financeiro do PAC.
O furto de energia é considerado crime, previsto no artigo 155 parágrafos terceiro e quarto do Código Penal Brasileiro (inclusive com pena de 2 a 8 anos de reclusão) e multa.

Luan Alexandre da Silva, apontado como chefe de organização criminosa que atua em São Luís, foram apreendidos uma pistola, munições e uma medalha, com o símbolo da facção. As investigações policiais acreditam que o apartamento onde Luan morava era um ponto de venda de drogas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

fonte:ma10

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.