Comarca de Bacuri realiza semana de julgamentos

A Comarca de Bacuri realizou quatro sessões do Tribunal do Júri, no período de 4 a 7 de julho. Os julgamentos, realizados em Bacuri e no termo judiciário de Apicum-Açu, foram presididos pelo magistrado Humberto Alves Júnior, titular da Vara Única de Mirinzal e respondendo por Bacuri.

No dia 4, na Câmara Municipal de Apicum-Açu, foi julgado José Claudionor Neto acusado de homicídio qualificado contra Gilvando Fonseca, por motivo fútil em virtude de uma discussão banal entre a vítima e o pai do réu. “Após o início da troca de ofensas entre a vítima e o réu impronunciado, José Claudionor Neto sacou um revólver e apontou para a vítima, que tentou se esconder primeiramente atrás de uma pessoa e posteriormente atrás de outra, sendo alvejada na altura do peito, vindo a óbito”, frisa a denúncia do Ministério Público. José Claudionor Neto foi condenado a 16 anos e 6 meses de reclusão a serem cumpridos, inicialmente, em regime fechado.

No dia 5, foram a julgamento os réus Wanderson Ramos e Claudemir de Oliveira, acusados de matar a vítima Carlos Miguel Braga. Consta na denúncia que, no dia 01 de dezembro de 2017, os acusados desferiram várias pauladas na região da cabeça da vítima, ocasionando a sua morte, em razão da vítima ter passado informações à polícia sobre os possíveis autores de um crime de roubo ocorrido no dia 15 de novembro de 2017. Wanderson Ramos foi reconhecido pelos Jurados como inocente, sendo absolvido; já Claudemir de Oliveira foi declarado culpado e condenado a 19 anos e 3 meses de reclusão a serem cumpridos, inicialmente, em regime fechado.

Dia 6, Eulálio Mendes Pinto e Carlenilson Ferreira Furtado sentaram no banco dos réus, acusados de matar Willame Amorim Monteiro, a golpes de facão na região da cabeça e tórax, sem qualquer possibilidade de defesa para a vítima. O Conselho de Sentença condenou, ambos, Eulálio Pinto e Carlenilson Furtado, a 16 anos, 7 meses e 15 dias de reclusão, em regime fechado.

No dia 7, Juniel Carreira Pinto foi absolvido pelo Tribunal do Júri. Ele era acusado de ter tirado a vida Clenilson de Oliveira.

As sessões contaram com a atuação do promotor de Justiça Igor Adriano Trinta Marques, titular da Comarca de Cururupu e respondendo pela Comarca Bacuri; e com os advogados Jairo Israel França Marques, Talmon Costa Silva de Menezes, Jurandy Silva, Janilson Lago, Hugo Leonardo Rubim.

O juiz Humberto Júnior ressaltou o esforço realizado pela equipe da Comarca de Bacuri para realização dos julgamentos. “Neste mutirão tivemos o julgamento de um processo com quase 10 anos de tramitação e que estava pendente de uma resposta para a sociedade. Os objetivos foram alcançados, pois cumprimos com nossa missão constitucional de entregar Justiça”, destacou.

O promotor de Justiça lembrou que, após quase três anos respondendo pelos municípios de Bacuri e Apicum-açu, foram as primeiras sessões de Júri designadas pelo Poder Judiciário. “Enalteço o comprometimento do juiz de direito Humberto Júnior, e de toda a sua equipe para a realização dessa semana de julgamentos”, frisou Igor Marques.

Já o advogado Hugo Leonardo Rubim, pontuou que advogado militante na região, foi muito gratificante poder participar dessa retomada das sessões do Tribunal do Júri na Comarca de Bacuri.

Assessoria de Comunicação

Corregedoria Geral da Justiça

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.