Brasil tem a pior pontaria das eliminatórias, com 25,9% de acerto

O Espião  também está de olho nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018 e anda preocupado com a pontaria da seleção brasileira. Os números das duas primeiras rodadas mostram que o time comandado por Dunga precisa calibrar o pé e reforçam a importância da volta de Neymar na partida desta quinta-feira contra a Argentina, às 22h (horário de Brasília). Sem seu principal atacante, a Seleção tem o segundo pior percentual de finalizações certas entre as 10 equipes, com 25,9%, à frente da Venezuela, que tem 25%.

Contra o Chile e a Venezuela, adversários nas duas primeiras partidas, a Seleção chutou 27 vezes a gol, mas em 20 deles sequer acertou a direção da meta. Apenas sete foram consideradas certas nesse sentido, e três delas viraram gols. Para se ter ideia, o Paraguai (36,8% de finalizações certas) também só acertou o alvo sete vezes, porém com bem menos arremates, 19, oito abaixo do Brasil. O Chile (54,2%), outro exemplo, acertou o gol oito vezes, tendo arriscado ainda menos que os paraguaios, em apenas 17 oportunidades.

Tabela finalizações certas seleções (Foto: editoria de arte)

A Argentina, rival dessa quinta-feira, não chega a ser destaque positivo – é a sexta da lista – mas acertou o pé em nove das 22 vezes em que arrematou, o que corresponde a um rendimento de 40,9%. Porém, apesar de ter dado mais trabalho aos goleiros adversários, a Argentina ainda não conseguiu balançar a rede, ao contrário do Brasil. Vale lembrar que Messi também já não esteve entre os selecionados de Tata Martino nas duas rodadas iniciais, contra Equador e Paraguai, assim como Neymar não esteve à disposição de Dunga.

O líder do ranking de finalizações precisas, por enquanto, é o Uruguai, com 63,3% de suas finalizações tendo virado gol ou pelo menos obrigado o goleiro a defender . A Celeste mandou, ao todo, 14 bolas na direção da meta – o dobro do Brasil em números absolutos -, das 22 conclusões que realizou.

Parte do segredo uruguaio e da deficiência brasileira pode estar no poder de penetração nas defesas contrárias. O Uruguai fez 86,4% (19 de 22) de suas finalizações de dentro da área, o que ajuda a manter uma boa pontaria. Já o Brasil fez 55,5% das suas conclusões de dentro da área (15 de 27). Quando arrematou de dentro da área, o Brasil teve aproveitamento melhor – acertou 40% (6 de 15), número ainda distante do desempenho geral dos uruguaios e apenas equivalente ao geral dos argentinos (40,9%). De fora da área, o Brasil vai muito mal: só acertou a meta uma vez nas 12 tentativas que fez, o que representa meros 8,3% de acerto.

WILLIAN É O MAIS PRECISO

Campinho finalizações do Brasil (Foto: editoria de arte)Brasil: local dos chutes certos (amarelo) e errados (azul)

Willian é o jogador da seleção brasileira com mais precisão. Todas as três bolas que o meia chutou foram na direção do gol, as três no confronto com a Venezuela. Em duas delas, conseguiu marcar. Na outra, parou no goleiro Baroja.

Ricardo Oliveira, Hulk e Oscar são os outros brasileiros que chutaram ou cabecearam certo pelo menos uma vez nessas duas primeiras rodadas das eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo de 2018. O artilheiro do Campeonato Brasileiro tem 50% de acerto (duas de quatro finalizações), enquanto Hulk tem 25% (uma de um total de quatro finalizações) e Oscar, 16,6% (uma de seis).

NO RIVAL: OLHO EM DI MARÍA

Outro dado levantado pelo Espião Estatístico serve de alerta ao Brasil e evidencia a importância de Di María para a seleção argentina. O astro do Paris Saint-Germain nem é o de melhor pontaria entre os argentinos, mas foi de longe o maior articulador de jogadas e finalizador em números absolutos de sua seleção nas partidas diante de Equador e Paraguai. Di María participou de 72,2% dos lances em que a Argentina finalizou (16 de 22). Ele próprio arrematou a gol oito vezes, fez três assistências e iniciou outras cinco jogadas finalizadas.

O número total de finalizações coloca Di María atrás apenas do boliviano Jhasmani Campos, que fez nove até o momento. Com oito, ao lado do meia argentino, estão ainda o chileno Vargas e o equatoriano Miler Bolãnos. Quem mais arriscou a gol no Brasil foi Oscar, com seis tentativas, o que deixa o brasileiro em nono junto do peruano Farfán e do boliviano Yasmani Duk. Ricardo Oliveira e Hulk vêm em seguida no Brasil, com quatro finalizações cada.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.