Após ser citado em delação, Moreira Franco diz que permanece no governo

Interlocutores dizem que secretário-executivo do governo tem pronta carta de demissão

BRASÍLIA — O secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco, negou, nesta quarta-feira, estar deixando o governo após ser citado na delação do ex-executivo da Odebrecht, Cláudio Mello Filho. Em nota, Moreira Franco afirmou que segue comprometido com os compromissos assumidos na economia e no programa de concessões. Segundo interlocutores, no entanto, o secretário-executivo tem pronta uma carta de demissão. A informação foi antecipada pelo colunista Ricardo Noblat.

Segundo pessoas próximas, Moreira tem se mostrado triste e abatido e decidiu escrever a carta para deixar o presidente à vontade e evitar maiores desgastes ao Planalto. Na proposta de acordo de delação premiada, o ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, o acusou de ter recebido propina para beneficiar a empreiteira quando era ministro da Aviação Civil do governo da presidente Dilma Rousseff.

Em nota, Moreira Franco disse que segue dedicado a colaborar com o governo:

“Estou dedicado a colaborar no lançamento das medidas microeconômicas e no fortalecimento do programa de concessões. Não abandono lutas quando acredito nelas”, afirmou Moreira Franco.

CITADO POR DELATOR

A proposta de delação de Cláudio Mello revela denúncias de pagamento de recursos de caixa dois para campanhas eleitorais de diversos políticos do PMDB e integrantes do primeiro escalão do governo federal, como o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, além do presidente do Senado, Renan Calheiros. O próprio presidente Michel Temer é citado. O ex-executivo da empreiteira disse que Temer procurou Marcelo Odebrecht com pedido de R$ 10 milhões. O dinheiro teria sido entregue em espécie no escritório do advogado José Yunes, amigo e assessor especial do presidente Temer, durante a campanha eleitoral de 2014.

Políticos de diferentes partidos, como PT e DEM, como o ex-governador da Bahia e ex-ministro de Lula e Dilma, Jaques Wagner, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também são citados. A delação ainda depende de homologação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Em nota, Moreira Franco disse estar comprometido com os compromissos do governo:

“Estou dedicado a colaborar no lançamento das medidas microeconômicas e no fortalecimento do programa de concessões. Não abandono lutas quando acredito nelas”, afirmou.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.