Vacinação Antirrábica inicia nova fase com 90 mil animais imunizados

6141Além_da_vacinação,_o

omeça nesta segunda-feira (21) uma nova etapa da vacinação contra a raiva em cães e gatos em São Luís. A ação faz parte da Campanha Nacional de Vacinação Antirrábica que teve início no último dia 14 de setembro. Até agora, cerca de 90 mil animais já foram imunizados na capital maranhense em uma operação que está visitando as residências, batizada como “porta-a-porta”.

C

Para otimizar os resultados, a vacinação está sendo realizada por distritos sanitários. As equipes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Secretaria Municipal de Saúde (Semus) já percorreram quatro distritos. Na próxima segunda é a vez do distrito da Vila Esperança que contempla as localidades da Estiva, Itapera, Maracanã, Pedrinhas, Quebra Pote, Tibiri, Coqueiro, Vila Sarney, Vila Esperança e demais do entorno.

No último dia 11 foi concluída a operação no distrito que compreende os bairros do Centro, Coroadinho, Cohab e Tirirical. Desde o início da campanha, já foram focos das equipes bairros como Cohab, Cohatrac, Anil, Turú,Tirirical, São Cristóvão, São Bernardo, João de Deus, Santa Bárbara, Vila Itamar, Pirapora, Santa Ifigênia, Cidade Olímpica (I,II e III), Santa Clara, Vila Lobão, Janaína e outros de suas proximidades.

Segundo o diretor do CCZ, João Batista Pires, a meta inicial de imunizar 90 mil animais foi alcançada. “Nós partimos agora para novas localidades e estamos em um ritmo bastante acelerado. Provavelmente, conseguiremos completar a última fase da campanha, prevista para o final de novembro com mais de uma semana de antecedência. Acredito que serão vacinados cerca de 130 mil animais”, destacou.

Diferente de anos anteriores, o Ministério da Saúde definiu que em 2013 a Campanha Nacional de Vacinação Antirrábica seria realizada em dois momentos. No primeiro ciclo da campanha, realizado em junho, 87 mil animais foram imunizados em São Luís, contemplando a meta estipulada. De acordo com o diretor do CCZ os excelentes números alcançados na vacinação “porta-a-porta” podem ser atribuídos ao investimento realizado pela Prefeitura, por meio da Semus e, também, à participação de forma consciente da população.

“Tivemos casos em que o próprio morador, percebendo a dificuldade de um de nossos agentes em conseguir falar com alguém em uma determinada residência, fez questão de ligar para seu vizinho para que o mesmo pudesse abrir a porta da casa para a nossa equipe. Esse é o espírito: todos participando pelo bem comum”, contou o diretor.

Para o secretário de Saúde, Cesar Felix, estes números refletem a redução do registro de casos de raiva. “No ano passado, foram notados mais de 50 casos da doença na região metropolitana de São Luís. Hoje, são poucos casos, cerca de 10 apenas”, ressaltou. Segundo o secretário, mesmo com a queda dos números, a Semus está vigilante e com foco na erradicação da doença que passou mais de 20 anos sem registro na cidade.

Para a moradora do bairro Anil, Alziane Rodrigues, 36, a possibilidade de vacinar o animal em casa é sempre mais cômoda para todos. “A gente fica o tempo todo ocupada e acaba esquecendo de ter os cuidados necessários com ele (cachorro). Essa vacinação em casa foi uma coisa muito boa que a Prefeitura criou para combater a raiva”, afirmou.

CENTRO DE ZOONOSES

Mesmo com a campanha “porta-a-porta”, aqueles que por algum motivo não estavam em casa no momento da visita das equipes da Semus podem vacinar seu cão ou gato de segunda a sexta-feira na sede do CCZ que fica no Campus da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), na Cidade Operária. Além da vacinação, o Centro faz a avaliação e acompanhamento de animais com suspeita de alguma zoonose. Pessoas que tenham tido contatos com esses animais também podem procurar o CCZ.

Especificamente no caso da raiva, quando há a suspeita de que o animal esteja com a doença e pessoas que convivem com ele tiveram contato com sua saliva ou foram agredidos através de mordidas e/ou arranhões, é importante que o CCZ seja comunicado pelo telefone 3212-2816 para que o tratamento seja iniciado.

O diretor do Centro, João Batista Pires, alerta que nem todo animal é de responsabilidade do Centro.  Como exemplo, ele lembra a situação dos animais que vivem nas ruas da capital, em especial gatos e cães. O diretor esclarece que as equipes do CCZ devem monitorar apenas os animais que apresentam riscos à saúde humana, dentro do foco de atuação do órgão que é a prevenção e controle de doenças.

De acordo com dados do Centro de Zoonoses, atualmente, existem cerca de 30 mil animais nas ruas de São Luís, porém, a grande maioria deles (80%) são animais peridomiciliados, ou seja, tem moradia própria, mas vivem nos arredores de suas residências.  Em estudo preliminar, acredita-se que a população de cães e gatos que apresenta problemas epidemiológicos esteja na faixa dos 2% da população total de rua.

RAIVA

A raiva é uma doença transmitida por vírus e ataca o sistema do animal. É a zoonose mais perigosa e fatal para os animais que a transmitem e também para o ser humano que não se submete ao tratamento a tempo.

O vírus é transmitido ao homem pela saliva do bicho infectado, através de mordida, arranhão ou mesmo lambida. Mudanças bruscas de comportamento (euforia, depressão), ansiedade, paralisia, demência, alucinações são alguns dos sintomas que podem ser confundidos, inicialmente, com uma gripe.

Caso tenha sofrido um ataque pelo animal, seja por mordida ou mesmo arranhões, a área afetada deve ser lavada em água corrente com sabão. Após o procedimento deve-se procurar um médico que determinará o tratamento a ser seguido.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.