“Sinto muitas melhoras depois que vim para cá”, diz paciente assistido na rede implantada pelo Governo para atender pessoas com deficiência

Valter Américo Salomão Júnior perdeu toda a visão em 2015, aos 39 anos. Ainda vivendo o que os especialistas chamam de luto pela perda da visão, ele sofre com a situação, mas encontrou no Serviço de Reabilitação Visual do Centro Especializado em Reabilitação e Promoção da Saúde do Olho d’Água (CER Olho d’Água), da rede da Secretaria de Estado da Saúde (SES), apoio psicológico e ajuda para reaprender a lidar com o mundo, como se locomover, se comunicar, se situar nos locais.

“Por conta do atrofiamento da visão, perdi a vista direita há muito tempo. Em dezembro de 2015 perdi da esquerda. Não é fácil. Sinto muitas melhoras depois que vim para cá, consigo pedir ajuda e estou aprendendo a reconhecer locais. Aqui eu encontro ajuda e apoio”, relata Valter Américo Salomão Júnior, que aprende orientação para mobilidade, tem consulta com psicóloga e acompanhamento com assistente social.

O Serviço de Reabilitação Visual do CER Olho d’Água, que realiza diagnósticos clínicos, avaliação funcional da visão e orientação para mobilidade, foi inaugurado em outubro. Ele é um dos investimentos do Governo do Estado para ampliar e qualificar o atendimento a pessoas com deficiência no Maranhão, que incluem também novos serviços no CER Olho d’Água e a formação de profissionais de saúde em Libras (Língua Brasileira de Sinais).

Segundo a coordenadora da Comissão de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência da SES, Nelbe Maria de Amorim, existe um grande cuidado e planejamento da SES para garantir o acesso das pessoas com deficiência aos serviços de saúde. As ações do governo envolvem tanto serviços para este público, quanto a qualificação das equipes da rede.

“Está entre as prioridades deste governo ações para os deficientes. O objetivo é que cada vez mais esse público tenha acesso a ações de saúde. Além desses investimentos, a SES também dialoga com os gestores municipais para a implantação das linhas de cuidado para deficientes em nível local”, informa Nelbe Maria.

O Saúde em Libras é um dos esforços da SES para qualificar o atendimento da rede estadual. O projeto certificou 138 profissionais de saúde de 20 unidades da rede estadual de saúde em São Luís, para fazer o acompanhamento a pacientes com deficiência auditiva durante atendimento na rede pública de saúde, facilitando a comunicação entre pacientes e profissionais de saúde.

Em fevereiro, a dona de casa Maria Lúcia Sousa, de 32 anos, que é surda, deu a luz ao quarto filho, Michael, na Maternidade de Alta Complexidade do Maranhão, na Cohab. Ela foi acompanhada por uma intérprete de libras durante o parto. “Nem sei explicar a emoção. Estou muito feliz, me senti muito protegida. Foi um sonho! Sempre que eu dormia eu sonhava com esse momento, com a intérprete aqui comigo, foi maravilhoso”, disse a mamãe emocionada após o parto.

Em 2018, foi iniciado ainda o serviço semi-intensivo para Pessoas com Transtorno do Espectro Autismo (TEA) no CER Olho d’Água, que já contava com o atendimento intensivo. A nova proposta é voltada para crianças que tenham desenvolvido habilidades de linguagem, ou seja, mais funcionais, e/ou que estejam há mais de um ano no serviço intensivo e tenham indicação para o atendimento semi-intensivo.

A SES adquiriu, também este ano, as cadeiras de roda anfíbias. O equipamento disponível no CER Olho d’Água é usado na reabilitação de pacientes com problemas de locomoção através da talassoterapia, técnica que usa a água do mar como terapia.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.