Rose Sales pede providências contra o abandono de portadores do vírus HIV/AIDS

Cerca de 6.500 (seis mil e quinhentas) pessoas estão vivendo com HIV/AIDS em nossa cidade, numa situação degradante e sem a devida atenção do município. A  Vereadora Rose Sales lamentou o fato da Prefeitura de São Luís ter encaminhado para o parlamento municipal a Lei Orçamentária para 2016, sem que conceda resolutividade à prevenção, combate do vírus e tratamento digno aos soropositivos, o que se ocorresse, beneficiaria as pessoas que precisam desse acompanhamento: “Lamentavelmente, devido ao descaso e à negligência do governo municipal, os cidadãos de direito estão morrendo em São Luís. Em 2013, morreram cerca de 127 (cento e vinte e sete) pessoas soropositivas, e, em 2014, uma base de 159 (cento e cinquenta e nove) pessoas, sem leito, morreram  devido às doenças oportunistas (hepatites virais, tuberculose, hanseníase, dentre outras)”, afirmou.
O Senhor Ronaldo Oliveira, Presidente da Rede Nacional de Pessoas com HIV/AIDS, destacou a importância da audiência e lamentou a ausência dos executivos municipal e estadual no evento: “Essa iniciativa da vereadora Rose Sales é muito importante, pois o debate tem que começar nesta Casa, a Casa do povo. Esse tipo de atitude é lamentável e vergonhoso onde vimos realmente quem está preocupado conosco, e mesmo sem a presença dos secretários de saúde do município e do estado e de outras autoridades convidadas, nós que fazemos parte da categoria, estivemos em peso para mostrar a força que temos na sociedade e reivindicar nossos direitos”, disse.
Ao concluir a sua fala, a vereadora Sales disse que “se faz necessária por parte dos poderes público municipal e estadual, a garantia orçamentária e efetiva de uma rede especializada de cuidados, prevenção e tratamento de pacientes portadores do vírus HIV/AIDS, principalmente na garantia de leitos nos hospitais públicos e que seja assegurado a eles, a inclusão na estruturação da política de enfrentamento às doenças oportunistas, que afligem uma significativa parcela da população com HIV/AIDS, que sofre, morre sem leitos ou pela falta de uma assistência mais ampliada. Registro o meu repúdio que no Dia da Declaração Universal dos Direitos Humanos, os cidadãos com HIV/AIDS de nossa cidade, mais uma vez foram desprezados pela Prefeitura de São Luís em seus direitos e em sua dignidade humana”,finalizou.
0cbb8169-f88c-4d04-bd8e-e3f810cd476a 7ec44c97-6bd1-4224-bd6c-5f6a1b51a017 58aaaa3d-d6c2-4dd3-b193-1df15ae0db9aIMG_3280 (1)49028a66-fb29-4748-a878-09a468a28283Após mais de 4(quatro) horas de Audiência Pública foram deliberados vários encaminhamentos e propostas de extrema importância, tais como:
1 – Cobrar a decisão política da SEMUS e da SES, visando garantir no orçamento de 2016, a assistência à população de HIV/AIDS São Luís;
2 – Instalação  do serviço de atendimento às crianças portadoras HIV/AIDS;
3 – Estruturação do serviço de atendimento aos adultos com HIV/AIDS;
4 – E construção do Hospital de Referência às pessoas com HIV/AIDS, com doenças infecto-contagiosas e com doenças oportunistas;
5 – Criação de leitos para as pessoas diagnosticadas com o vírus HIV/AIDS e acometidas por doenças oportunistas.
Estiveram Presentes: número significativo de cidadãos soropositivos; e ainda, os senhores: Ronaldo Oliveira – Rede Nacional de Pessoas com HIV/AIDS; Sr. Wendell Alencar – Coordenador de DST/AIDS/HEPATITE VIRAIS da SEMUS; Joel Valentim – Conselheiro Municipal de Saúde; Fernando Cardoso – Fórum Maranhense das Respostas Comunitárias de Luta Contra DST/AIDS; Orlando Frazão – Coordenador de Departamento do DST/HIV da SES, dentre outros.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.