Queimadas causam prejuízos no sul do Maranhão

Nas últimas 48 horas, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou 586 focos de incêndio nas regiões sul, sudoeste e central do Maranhão. Em Mirador, a 485 km de São Luís, foram registrados quase 60 focos nos últimos dois dias, uma parte deles dentro do Parque Estadual do Mirador que possui 436 mil hectares.

Em Balsas, a 810 km de São Luís, as queimadas aumentaram nos últimos dias. Em uma área próxima ao centro da cidade, o fogo destruiu mais de 200 hectares de pasto de uma fazenda e além de atingir o capim, o fogo chegou a copa das árvores.

O fogo destruiu mais de 200 hectares de pasto de uma fazenda e além de atingir o capim, o fogo chegou a copa das árvores. (Foto: Reprodução/ TV Mirante)

O fogo destruiu mais de 200 hectares de pasto de uma fazenda e além de atingir o capim, o fogo chegou a copa das árvores. (Foto: Reprodução/ TV Mirante)

De acordo com o técnico agrícola, Elias Oliveira, ninguém sabe o que causou o incêndio e apesar das tentativas o fogo não foi apagado. “O fogo estava tão alto que quem estava do outro lado não passava para o lado daqui. Foi um sufoco porque nem o Corpo de Bombeiros não se arriscava, o fogo estava impossível de conter”, relembra.

O período de maior risco de queimadas na região sul do Maranhão é entre os meses de agosto e setembro, quando a umidade relativa do ar atinge níveis baixos, em torno de 30% em algumas horas do dia. O tempo seco e o vento fazem com que as chamas se propaguem rapidamente.

O Inpe realizou o monitoramento em todo o país e desde a semana passada o Maranhão ocupa o segundo lugar no ranking das queimadas com mais de 4,700 focos acumulados de janeiro até agosto.

FONTE G1

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.