Pecuarista é torturado e ameaçado por criminosos

Um pecuarista do município de Açailândia, a 600 km de São Luís, ficou sob a mira de um revólver por mais de uma hora por causa de uma dívida. O pecuarista identificado somente por Antônio foi retirado de dentro de casa, situado no povoado Novo Bacabal, situado na zona rural de Açailândia, e foi obrigado a viajar 70 km com os suspeitos.

Segundo a Polícia Militar, o pecuarista só foi resgatado do veículo onde estava com os criminosos quando chegou em uma barreira montada no início da zona urbana de Açailândia pelos próprios policiais. Durante a abordagem policial uma mulher e dois homens foram presos.

De acordo com o policial militar Fabrício Sousa, a prisão só foi realizada porque os vizinhos do pecuarista desconfiaram que ele estava sendo alvo de um assalto e decidiram realizar uma ligação para a PM. Ele acrescenta que os suspeitos tentaram cometer um crime de sequestro.

“A gente foi para a BR e fizemos uma barreira quando avistamos o veículo. A gente abordou e a vítima já desceu agradecendo a Deus por ter sido encontrado. Tudo evidencia que isso caracteriza um crime de sequestro”, relatou o policial militar Fabrício Sousa.

Com os suspeitos, entre eles dois irmãos, os policiais encontraram um revólver, munição e duas cordas. O delegado Saniel Trovão diz que já ouviu o pecuarista e afirma que se trata de um caso de extorsão. “Durante a viagem a vítima nos relatou que eles utilizavam ameaça como ‘vou te matar, vou te matar, vou te matar’ e tudo em decorrência de uma dívida e essa dívida era só verbal. Não havia documento e eles estavam utilizando a ameaça justamente para formalizar para o seu Antônio assinar um contrato”.

O delegado Saniel pontua que apesar de ficar comprovado que o pecuarista estava sendo obrigado a formalizar o reconhecimento de uma dívida ele acredita que a vítima corria o risco de ser morto. “O relato da própria vítima. Ele fala que durante a viagem ele temeu pela a morte por conta da forma das ameaças com a arma em punho”, finalizou.

revolver

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.