Oficina de enfrentamento à hanseníase chega a 47 municípios maranhenses

Reforçar ações para o enfrentamento da hanseníase em 47 municípios maranhenses. Foi esse o objetivo da Secretaria de Estado da Saúde (SES) com a promoção da segunda “Oficina para Planejamento das Ações Estratégicas de Enfrentamento à Hanseníase 2019-2022”. A oficina, que aconteceu até esta quarta-feira (25), reuniu representantes dos 30 municípios do Plano Mais IDH e de 17 municípios com projeto de prevenção e combate da doença, em São Luís. 

A secretária adjunta da Política de Atenção Primaria e Vigilância em Saúde da SES, Waldeise Pereira, ressaltou que cada oficina tem renovado o compromisso das equipes e aprimorado o processo de trabalho. “A oficina faz parte as ações prioritárias do Governo do Estado. Isso inclui acompanhar, monitorar, apoiar e executar as ações propostas nos planos municipais para o enfrentamento da hanseníase, como forma de fortalecer a ação conjunta entre a administração estadual e municipal”, destacou.  

A proposta do plano prevê mais qualidade e eficiência na realização de ações estratégicas de enfrentamento à hanseníase. “Queremos intensificar a busca ativa de casos novos, elevar a cobertura de exame de contatos, trabalhar a conscientização e informação com estudantes e universitários, bem como com os profissionais que atuam no setor de educação em saúde”, enfatizou a superintendente de Epidemiologia e Controle de Doenças da SES, Léa Márcia Melo.

Em 2018, o Maranhão registrou 3.105 casos de hanseníase. O dado corresponde a uma incidência de 44,6 para cada 100 mil habitantes. A meta é reduzir o número de casos, e continuar intensificando as ações até chegar à marca de 1 caso para cada 100 mil. 

Até dezembro deste ano, a SES fará mais três oficinas de planejamento, alcançando os 217 municípios do estado.

A coordenadora estadual do Programa de Controle da Hanseníase da SES, Maria Raimunda Mendonça, explica que as oficinas com os representantes dos municípios mostram o compromisso da gestão estadual com a construção de estratégias coletivas para redução dos casos da doença. “Os participantes sairão do treinamento com suas linhas de ação prontas, que deverão ser apreciadas pela SES, e posteriormente aprovadas pelos conselhos municipais”, disse. 

Para Daniela da Silva, coordenadora do programa da hanseníase do município de Governador Newton Belo, o plano é uma importante ferramenta para gestão municipal. “Com certeza as diretrizes aqui discutidas irão impactar positivamente no nosso trabalho”, pontou.  

O município de Pedro do Rosário faz parte do Plano Mais IDH. Crislaine Travassos é coordenadora da Atenção Básica do município. “Além das ações já realizadas pelo governo e município, teremos o apoio dos profissionais da Força Estadual de Saúde no intuito de intensificar a busca ativa por casos novos, o diagnóstico e tratamento dos pacientes”, avaliou.  

Em julho, o Programa de Controle da Hanseníase da SES fez a primeira oficina para planejamento das ações. Na ocasião, participaram 15 municípios considerados prioritários na luta contra a doença. São eles: São Luís, Imperatriz, Açailândia, Balsas, Barra do Corda, Bacabal, Codó, Caxias, Coroatá, Timon, Itapecuru-Mirim, Santa Luzia, Santa Inês, São José Ribamar e Zé Doca.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.