O que dizem Flamengo, Fluminense e Vasco sobre grama sintética no Maracanã

Com a dificuldade de conciliar a quantidade de jogos que os times cariocas desejam mandar no Maracanã e o tempo de recuperação necessário para a grama natural, a instalação de grama sintética no estádio seria uma solução. Questionado, o Vasco se disse a favor da mudança, como última solução para o impasse. O Fluminense afirmou que ainda não tratou a respeito. O Flamengo se mostrou contrário à ideia.

O principal argumento rubro-negro é de que a grama sintética aumenta o risco de lesões nos jogadores. No Palmeiras, que adotou este tipo de gramado desde fevereiro de 2020, a comissão técnica se preparou para adaptar os trabalhos e se concentrar na prevenção de lesões no tornozelo e no joelho, articulações que ficam mais expostas ao impacto maior da grama sintética.

O campo do Palmeiras passa por vistorias anuais da Fifa, que cobra da grama sintética padrões idênticos aos cobrados na grama natural, em relação ao quique da bola, ao alinhamento do campo e a capacidade de a bola rolar na superfície.

A troca no Allianz Parque ocorreu depois de problemas no gramado do alviverde, decorrentes da falta de iluminação natural no estádio e do calendário de shows e eventos que dividem espaço com as partidas.

Atualmente, o gramado sintético do Palmeiras recebe jogos do profissional e partidas de maior apelo da base e do futebol feminino. Mais seis show estão programados para acontecer no Allianz Parque este ano, com o calendário do futebol ainda em andamento.

O Maracanã, depois que passou pelas obras para a Copa do Mundo de 2014, conta com áreas de sombra maiores, uma vez que a cobertura sobre as arquibancadas aumentou de tamanho. A menor incidência de sol dificulta o crescimento da grama e a recuperação entre partidas. Atualmente, existe consenso entre os clubes do Rio que, devido ao calendário inchado do estádio, ele deve ser usado prioritariamente para futebol, sem receber shows.

Flamengo

“O Maracanã é o templo do futebol. Seria um absurdo colocar grama sintética. Nas cinco maiores ligas do mundo, não existem gramados com grama sintética. A grama sintética é reconhecidamente danosa à saúde e à integridade física dos jogadores, acaba implicando em uma maior incidência de lesões. Temos um compromisso com a saúde dos nossos atletas. O que queremos é elevar a qualidade do futebol no Brasil e não diminuir”.

Vasco

“Temos a tradição de jogar com grama natural e entendemos que seria preferível, e possível, manter o Maracanã assim. O que não se pode admitir é que sejam impostas restrições ao justo direito dos clubes do Rio de jogar no Maracanã. A grama sintética é uma realidade no Brasil e no mundo, a tecnologia vem avançando rapidamente. Entendemos que em uma situação limite, essa sim pode ser uma solução”.

Fonte: Yahoo

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.