Ministro do Turismo discute, em Londres, aumento de conexões aéreas

O ministro do Turismo, Gastão Vieira, disse, nessa segunda-feira (4), em Londres, que aumentar as ligações aéreas entre os países é tão importante quanto facilitar vistos para ampliar o turismo no mundo. Ele pediu esforços da comunidade internacional em ambos os sentidos. As declarações foram dadas na capital britânica durante a quinta reunião do “T.20”, o fórum de ministros de Turismo dos países que formam o G20 – grupo das 20 maiores economias do mundo. Juntos, os países respondem por 75% das chegadas de turistas no planeta.

Um estudo publicado pela Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas (OMT) mostra que a facilitação de vistos pode ajudar a criar 5,1 milhões de empregos adicionais no setor de turismo e produzir US$ 260 bilhões em receita adicional. Hoje, apenas 15% da população mundial não é afetada por políticas de visto. Nos países do “T.20”, a média de abertura (dada pela isenção de vistos a outros países) é de 65% – muito acima da média mundial. O objetivo do grupo é eliminar gradualmente essas barreiras, de forma a aumentar a geração de empregos e estimular o crescimento econômico.

Em sua fala no encontro, Gastão Vieira ressaltou que o Brasil já vem adotando medidas de facilitação de viagens como prioridade de sua política externa há muito tempo. “Hoje o Brasil tem acordos de isenção firmados com 72 países. Quase todos os grandes emissores de turistas para nosso País são livres de visto. E, no Mercosul, a circulação de pessoas dispensa até mesmo o passaporte”, afirmou o ministro, ressaltando, porém, que o país não abre mão de que as isenções sejam recíprocas. Ele citou, ainda, os acordos recentes de dispensa mútua de visto com o México, que entrou em vigor neste ano, com a União Europeia, firmado no ano passado, e com a Rússia, que vigora desde 2010. Como resultado, o fluxo de turistas russos para o Brasil cresceu 12% somente no ano passado.

Com os Estados Unidos, segunda maior fonte de turistas estrangeiros para o Brasil, há um grupo de trabalho instituído com o objetivo de longo prazo de supressão total. “Hoje os vistos de turismo e negócios são obtidos em poucos dias dos dois lados e valem por dez anos”, disse. O ministro citou, também, a decisão do Brasil de conceder vistos prioritários e gratuitos durante os grandes eventos esportivos, medida “adotada com sucesso na Copa das Confederações e na Jornada Mundial da Juventude”.

Ele afirmou, porém, que a facilitação de vistos deve ser vista como uma de várias medidas em prol da liberalização das viagens internacionais. Outra medida é o aumento da conectividade aérea entre os países. “A distância entre o Brasil e os grandes mercados emissores é, a meu ver, uma barreira ainda mais importante ao turismo do que o visto. Isso fica claríssimo no caso da Rússia, um dos maiores emissores do mundo, que não conta com voos diretos para o Brasil”, discursou.

Segundo o ministro, o país está ampliando sua malha aérea e investindo US$ 5 bilhões nos aeroportos das cidades-sede da Copa do Mundo. Mas a comunidade internacional precisa “dar impulso à agenda da conectividade”, trabalhando junto a organizações internacionais da aviação civil, como a Associação Internacional de Transportes Aéreos (Aita, na sigla em inglês) e a Organização Internacional da Aviação Civil (Icao, na sigla em inglês), para um crescimento contínuo dos fluxos turísticos.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.