Ministério Público denuncia mais quatro investigados na Lava Jato

O Ministério Público Federal (MPF) no Paraná denunciou hoje (15) à Justiça Federal em Curitiba mais quatro investigados na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, pelos crimes de corrupção, lavagem de capitais e crime contra o sistema financeiro nacional. Na ação, os procuradores pedem o ressarcimento de R$ 296 milhões.

Entre os denunciados estão o doleiro Alberto Youssef, o ex-diretor da área internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, o empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano e Júlio Gerin de Almeida Camargo, diretor da Toyo Setal, um dos delatores do esquema de corrupção.

Na denúncia, o Ministério Público relata duas ocasiões em que Cerveró, Soares e Júlio Camargo acertaram o pagamento de propina em contratos com a Petrobras. Na primeira, o MPF afirma que houve pagamento de US$ 15 milhões, em 2008, para que a Petrobras contratasse um navio-sonda para ser utilizado na perfuração de petróleo em águas profundas na África. O valor do contrato era de US$ 586 milhões.

Segundo a denúncia, após a confirmação de que a propina seria paga, Nestor Cerveró atuou para fechar o negócio com o estaleiro Samsung Heavy. Após o acerto, Fernando Soares recebeu os valores indevidos e repassou parte para Cerveró, diz o documento enviado à Justiça.

Em 2009, os procuradores afirmam que foi acertado entre os três envolvidos o pagamento de propina de US$ 25 milhões para que outro navio-sonda com operação do estaleiro Samsung Heavy fosse contratado para operar no Golfo do México. O valor do contrato era de R$ 616 milhões.

A defesa de Fernando Soares alega que o empresário nunca fez negócios ilícitos com a Petrobras. Cerveró afirmou em depoimentos à Comissão Parlamentar de Inquérito da Petrobras que não recebeu propina e que desconhece qualquer esquema de corrupção na estatal. Júlio de Camargo foi um dos primeiros investigados a delatar os desvios na Petrobras. Na semana passada, o Ministério Público Federal (MPF) no Paraná denunciou 36 pessoas investigadas na sétima fase da Operação Lava Jato.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.