Marlon Botão pode ter desviado mais de 300 mil da Func

Uma parceria técnico financeira celebrado entre a Secretaria Municipal de Cultura e a Associação Cultural e Beneficente Juremê, para execução do projeto “São Luis Cidade da Alegria – Pré-carnaval 2016”, pode revelar um esquema de corrupção instalada na pasta desde a chegada do atual secretário.

O cheiro forte de corrupção do PT, ja  rodeia a rua, Isaac Martins Barrocas, nº 141 no centro de São Luís – MA, mais precisamente na Fundação Municipal de Cultura (Func), que tem como presidente Carlos Marlon de Sousa Botão, no cargo desde o inicio de novembro de 2014.

O problema todo foi descoberto no processo, nº 574/2016, Marlon Botão, empenhou e liquidou R$ 300.000,00 (Trezentos mil reais) para a entidade de CNPJ: 13.100.825/0001-20 realizar o pré-carnaval deste ano. No entanto, a Associação do Juremê, nada realizou nesse período, e o dinheiro sumiu. Não se sabe onde o recurso público foi parar e quem mais está por trás da liberação dos valores.

O blog buscou identificar a sede da associação, em rápida pesquisa chegou-se a R. Catulo da Paixão Cearense Vila Passos, 620 – : Rua General Osório; Altos; bairro de Fatima – Sao Luis/MA, no local, apenas uma residência de dois pavimentos com uma placa desbotada da “Associação Folclórica, Cultural e Beneficente Oriente”, com uma imagem ilustrativa do Boi do Oriente ao lado.

Nem sinal da “Juremê”. Isto é, são duas entidades que funcionam no mesmo endereço com finalidade diferente.

O blog entrou em contato com a diretoria da Juremê, uma senhora que se identificou pelo nome de Juliana, disse responder por tudo na Associação. “Sou eu a coordenadora, presidente, a secretária, sou tudo”, disse.

12648194_981668341913206_1177810001_n

Comprovante do emprenho e pagamento estão disponíveis no portal de Transparência da Prefeitura de São Luís.

No entanto, quando indagada sobre, como foi aplicado o repasse, de R$ 300 mil para realização do pré-carnaval 2016, a mulher desconversou, negou ter recebido o dinheiro e alegou que vai processar a secretaria: “Só converso sobre isso pessoalmente, porque não recebemos esse valor. Eu tenho certeza que não existe convênio do Juremê de trezentos mil. Eu vou entrar com uma ação judicial contra a Secretaria.” Declarou dona Juliana.

Mas, acontece, que o secretário Botão confirmou o convênio, contrariando a ‘dona’ da Juremê. Marlon disse que “tudo foi realizado dentro da legalidade mesmo na correria, porque a equipe da Cultura não teve muito tempo.”

Entretanto, o titular da Cultura de São Luís não soube informar exatamente o que foi realizado e a forma como foi aplicado a totalidade dos recursos repassados para a entidade. “Tem um plano de trabalho, entendeu, inclusive, com prestação de conta, além das descrições e as ações”, desconversou o secretário.

marlon

Marlon Botão precisa explicar com clareza o que foi feito com o dinheiro público destinado para a Associação.

Por fim, quando perguntado se conhece a entidade para qual destinou os R$ 300 mil, Botão disse: “Conheço o Juremê em função de outras ações, não tenho aqui nada que deponha contra a Associação”.

– Facilidade

O que chama atenção nesse caso com claros indícios de corrupção é a facilidade da transferência de recursos para uma entidade. Feito sem qualquer critério de escolha além da ausência de licitação para o fim específico.

E não para por aí, o blog começou apurar que existem casos bem mais ‘cabeludos’ do que esse, tanto referente a repasses financeiros do carnaval 2016, quanto a outras transferências com sinais nítidos de irregularidades.

Fonte: Domingos Costa

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.