Maranhão já ganhou 24 novas rodovias estaduais desde 2015

Com a inauguração neste fim de semana da MA-275, entre Sítio Novo e Amarante, o Maranhão chega à marca de 24 rodovias estaduais entregues desde 2015. 

São mais de mil quilômetros de pavimentação de estradas concluídos pelo programa Mais Asfalto, do Governo do Maranhão. Essa conta não inclui o asfalto em ruas e avenidas. 

Há, basicamente, três tipos de estradas: as federais, as estaduais e as rurais ou vicinais (dentro dos municípios). Como diz o próprio nome, a parte que cabe ao Governo do Estado são as rodovias estaduais. 

As novas rodovias estaduais foram entregues em todas as regiões.  É o caso da Estrada do Arroz, no Sul. Ou da Estrada de Santo Amaro, nos Lençóis Maranhenses. 

Na Baixada, uma delas é a MA-307, entre Presidente Médici e Centro do Guilherme. A MA-034 Buriti Bravo a Café Buriti é um dos exemplos de rodovias do Leste. 

Na região central, a MA-336, entre Miranorte e Joselândia, mudou o dia a dia dos moradores. E na Grande Ilha, a MA-203 melhorou o acesso ao Araçagi e à Raposa.

E muitas estão em andamento: é o caso da MA-245, entre Lagoa Grande e Lago da Pedra, que está em fase avançada. Ou da MA-270, entre Sucupira e Pastos Bons. Outro exemplo é a MA-119, de Santa Luzia a Altamira do Maranhão.

Prioridades

Para este segundo semestre, o foco da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Sinfra) é o trabalho das rodovias estaduais e em avenidas que fazem interligação para conectar os trechos rodoviários. 

“O povo do Maranhão pode continuar convicto de que estamos trabalhando todos os dias sob o comando do governador Flávio Dino, baseado no programa de Governo”, disse o secretário Clayton Noleto. 

MA-275

A construção da MA-275, que liga Sítio Novo a Amarante, tirou os moradores do isolamento, problema que, antes, era recorrente no período chuvoso. 

O asfalto contempla, ainda, as pessoas que vivem da agricultura familiar e do comércio, pois a estrada mais estruturada garante melhores condições para o transporte da produção agrícola e da mercadoria.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.