Jovem denuncia agressão e diz que foi marcada com canivete por vestir camiseta com ‘ele não’ em Porto Alegre

Uma jovem de 19 anos, moradora de Porto Alegre, registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil por lesão corporal na noite de segunda-feira (8). Segundo o relato, ela vestia uma camiseta com os dizeres “Ele Não”, contra o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), quando foi abordada e agredida por três homens.

O caso aconteceu no bairro Cidade Baixa. A jovem descia de um ônibus, a caminho de casa, quando foi abordada pelos homens que passaram a questioná-la sobre o uso da camiseta. Os suspeitos teriam agredido a jovem com socos e marcado a barriga com riscos de canivete.

A ocorrência foi encaminhada para a 1ª Delegacia de Polícia Civil, que informou nesta quarta-feira (10) que o caso começou a ser investigado. Policiais buscam câmeras de segurança para tentar identificar os agressores.Boletim de ocorrência foi registrado na noite de terça-feira (9) em Porto Alegre — Foto: Reprodução/Polícia Civil

Boletim de ocorrência foi registrado na noite de terça-feira (9) em Porto Alegre — Foto: Reprodução/Polícia Civil

O delegado Paulo Cesar Jardim, titular da delegacia, também pretende ouvir a jovem agredida assim que ela tiver condições de falar.

O caso ganhou repercussão nas redes sociais nesta segunda. Após três horas no ar, o post de uma jornalista de Brasília, que conversou com a jovem agredida, tinha mais de 10 mil compartilhamentos. Foi ela quem convenceu a menina a procurar a polícia.

“Ela foi agredida, humilhada no meio da rua. E como se não bastasse, dois homens seguraram seus braços, enquanto o terceiro cravava uma suástica na sua costela. Uma suástica…”, escreveu Ady Ferrer no Facebook.

O delegado responsável pela investigação explica que o desenho marcado na pele da jovem seria uma suástica ao contrário. “Se fosse alguém ligado a um grupo neonazista, faria o desenho correto”, entende Jardim, ainda sem concluir o caso.

Ady conta ainda que a jovem agredida também estampava a bandeira LGBT na mochila. E que muitas ofensas que ela ouviu foram nesse sentido. “Foram ofensas duras demais para retratar em um texto, duras demais para mulheres lésbicas ouvirem e lerem.”

A jornalista disse ao G1 que a jovem agredida não quer ser identificada e nem falar com a imprensa, pois está muito abalada. Ady ainda disse que também é LGBT e que seu medo aumentou após saber da história e “comprová-la como verdadeira.”Jornalista relatou o caso nas redes sociais  — Foto: Reprodução/Facebook

Jornalista relatou o caso nas redes sociais — Foto: Reprodução/Facebook

FONTE G1

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.