Jaime Almeida lamenta despedida melancólica do Flamengo

Não foi o fim de Campeonato Brasileiro que a torcida do Flamengo esperava. Não havia mais o que almejar na competição, porém esperava-se um adeus melhor. Neste domingo, o Rubro-Negro foi derrotado pelo Palmeiras por 2 a 1 no Maracanã. Para o técnico Jayme de Almeida, depois de o time empolgar em determinado momento do Brasileirão, caiu de produção e encerrou o ano “de forma melancólica”.

Jayme de Almeida técnico do Flamengo (Foto: André Durão/GloboEsporte.com)Jayme de Almeida diz que o Fla acabou deixando escapar após bons jogos no campeonato (Foto: André Durão/GloboEsporte.com)

– Grande aprendizado. O Flamengo teve tudo para ficar nos primeiros lugares, mas acabamos terminando de forma melancólica. Aprendi que, no esporte, derrota é para tentar crescer e melhorar. Fizemos seis jogos muito bons, mas deixamos escapar e, a partir do jogo com o Coritiba, nosso time ficou muito instável e terminou de uma forma que ninguém esperava. Estávamos acreditando muito, a torcida estava acreditando muito. Deixamos escapar. Nem caímos, nem avançamos – disse o treinador, após a partida.

Para o técnico, o Palmeiras atuou melhor neste domingo e o empate parecia ser um resultado justo em virtude das atuações em campo. Porém, em bobeadas e com o time desanimado, acabou sofrendo os gols.

– Palmeiras começou melhor. Só fomos acertar a marcação no fim do primeiro tempo. Estávamos bem no jogo. Valia pela colocação, mas acabamos terminando na 12ª colocação. Não gosto de reclamar de arbitragem, mas foi muito pênalti (em Kayke). O Palmeiras fez um belo gol, bobeamos. O jogo estava parelho. Tomamos aquele gol e deu uma desanimada. Veio o empate e o jogo caiu muito no final. Tínhamos quase certeza que acabaria empatado. Infelizmente, mais uma vez não acertamos (a marcação em bola aéreas), e o gol saiu aos 45 minutos – afirmou.

Confira mais trechos da entrevista de Jayme de Almeida:

Flamengo em 2016

Que o Flamengo cresça e volte a ser muito grande no Campeonato Brasileiro e como um todo. É na derrota que se aprende.

Comprometimento

Time se faz com jogadores de qualidade. É muito importante. Fica um negócio meio esquisito. Todo mundo que quer jogar tem que ter comprometimento. Em qualquer lugar, só não no Flamengo.

Como encara a situação de ser interino

Eu fui técnico do Flamengo, campeão, mas, dessa vez, vim como auxiliar. Foi um pedido do Vanderlei (Luxemburgo), meu amigo muito querido. Eu sei disso desde o início. É sempre no momento difícil que me chama. Quando acontece algum problema grave, normalmente você tem que ser o interino. Procuro dar o meu melhor. Com certeza não foi suficiente nesses dois jogos, mas vou para casa tranquilo.

Queda do Vasco

Já falei e vou repetir numa boa. Tenho o maior respeito pelo Vasco. Como carioca, sou muito amigo de vascaínos, tenho um amigo sensacional, que é o Dinamite. É um time grande, mas infelizmente não conseguiu. Torcida é rival, vai encarnar, mas eu, como profissional, não gostaria disso. Joguei muito contra, perdi, ganhei. Mas segue o jogo.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.