Governo e Prefeitura realizam ações conjuntas para atender famílias atingidas pelas chuvas em São Luís

O período chuvoso na capital tem trazido diversos tipos de transtornos para inúmeras regiões da cidade. Em alguns bairros, além de ruas alagadas e deslizamentos de encostas, casas estão desabando e diversas outras residências estão sendo condenadas pela Defesa Civil, em virtude dos riscos de desabamento, retirando famílias inteiras de suas residências, o que demandou uma ação imediata por parte do Estado e do Município que, em conjunto, estão desenvolvendo ações para dar uma solução imediata e prevenir mais transtornos nas áreas mais críticas.

Bairros como Sacavém, Salina do Sacavém, Coroadinho, Sá Viana, Cidade Olímpica, Vila Sapinho, José Reinaldo Tavares, dentre outros, estão sendo atendidos por equipes do Governo do Estado, por meio da Agência Executiva Metropolitana (AGEM) e das secretarias de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), da Infraestrutura (Sinfra), de Desenvolvimento Social (Sedes), e também por equipes da Prefeitura de São Luís, por meio das secretarias municipais da Criança e Assistência Social (Semcas), Obras e Serviços Públicos (Semosp), Segurança com Cidadania (Semusc), além do Ministério Público, Defesa Civil, Blitz Urbana e Corpo de Bombeiros.

A AGEM está diariamente deslocando equipes para visitar os locais de risco, onde já aconteceram incidentes, como deslizamentos de encostas, desabamento de casas, alagamentos de ruas, avenidas e residências, dentre outros problemas decorrentes das fortes chuvas. “Estamos analisando cada situação em específico para que possamos determinar quais as providências a serem tomadas, de forma imediata, conforme determinação do governador Flávio Dino”, esclarece o presidente da AGEM, Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

Lívio Corrêa também esclarece que as equipes técnicas da AGEM, formadas por engenheiros e arquitetos, estão encarregadas de avaliar a situação deixada pelas chuvas, em cada localidade, o que é repassado para as demais secretarias e órgãos, de forma a definir as responsabilidades. “Essa avaliação técnica é importante, para que as ações sejam definidas e, assim, possamos trabalhar de forma a retirar essas pessoas das situações de risco, bem como reestruturar, na medida do possível, os locais atingidos pelas chuvas”, afirma.

Ações

As dinâmicas dos trabalhos já em execução seguem as avaliações técnicas realizadas durante as vistorias in loco feitas pelas secretarias e órgãos do Governo e Município.  No Sacavém, a AGEM está realizando a desobstrução de galerias, para que as águas da chuvas não invadam residências, como aconteceu na última semana.

Na comunidade Salina do Sacavém, fortemente atingida pelas águas, os trabalhos da Agência se concentram na desobstrução do canal do Rio das Bicas, que transbordou ocasionando inundações em diversas casas e ruas.

No Coroadinho também está sendo executado serviço de desobstrução de canal, na altura da Avenida dos Africanos.

No Sá Viana, a equipe de engenheiros e arquitetos da AGEM fez a vistoria de toda a área afetada. No bairro houve deslizamento de terra e destruição de uma escadaria que leva à parte de cima da encosta, onde há diversas residências que já foram condenadas pela Defesa Civil. Os trabalhos na localidade serão executados em parceria com a Semosp.

No bairro Iguaíba, a ponte que dava acesso à comunidade Itatuaba despencou. “O local está passando por análises, para que seja averiguada a providência mais adequada para este caso”, explica o presidente da AGEM.

Nas Avenidas 1 e 2 da Cidade Olímpica, nas vilas Sapinho e José Reinaldo Tavares, nas estradas da Mata e de Santana, assim como na Avenida dos Agricultores, os trabalhos executados também foram de desobstrução de canais e de trecho do Rio Paciência. “Com isso estamos evitando novos alagamentos”, garante Lívio Corrêa.

Outras localidades também estão recebendo visitas técnicas para posterior execução de serviços. É o caso do Porto da Vovó, no Bacanga, onde famílias estão sendo deslocadas para locais seguros, visto a Defesa Civil ter detectado riscos de deslizamento e, consequentemente, desabamento de casas.

Parceria

Em conjunto com a Agência Executiva Metropolitana, outros órgãos e secretarias estaduais e municipais estão envolvidos nos trabalhos. A Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas), por exemplo, deslocou equipes técnicas dos Centros de Referência da Assistência Social (Cras) para realizar identificação, cadastro e acompanhamento das famílias, bem como levantamento de documentação para inserção no Benefício Eventual de Morada (aluguel social), além da entrega de cestas básicas. “No caso do aluguel social, esta é uma ação de fundamental importância, visto que muitas famílias estão sendo deslocadas de suas residências, por conta do risco de desabamento”, explica a secretária Andréa Lauande.

Ação permanente

Além das localidades já identificadas, vistoriadas e onde já estão sendo executados serviços, outras serão incluídas no cronograma de ações, na medida em que forem sendo detectadas necessidades. “Nosso trabalho é permanente, pois ainda estamos em período chuvoso e isso nos deixa em alerta”, argumenta Lívio Corrêa.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.