Governo e movimentos sociais dialogam sobre políticas de saúde para o público LGBT

O Governo do Maranhão dialogou, na tarde desta segunda-feira (20), com representantes de movimentos sociais sobre o fortalecimento das ações primárias em DST/HIV/ Aids e Hepatites Virais. Durante o encontro, representantes da Secretaria de Estado da Saúde (SES) apresentaram a sugestão de um Plano Estadual de Equidade em Saúde com foco na população LGBT e o Pacto Interfederativo de Enfrentamento ao HIV/Aids e Hepatites Virais no Maranhão. A reunião teve o propósito de alinhar as propostas com os movimentos sociais.

A superintendente de Atenção Primária em Saúde da SES, Silvia Viana, destacou a importância do diálogo. “Essa é uma iniciativa da secretaria para que, em parceria com a sociedade civil e os municípios, possamos garantir acesso desse público LGBT aos serviços. Com esses movimentos, discutimos também o enfrentamento à AIDS, com o objetivo de ampliar o leque de ações”, contou. “Nós, enquanto gestão, gostaríamos de realizar esse trabalho em parceria com os movimentos sociais”, completou a coordenadora do Programa Estadual de Combate à AIDS/DSTs no Maranhão, Jocélia Frazão de Matos.

O Plano de Equidade em Saúde propõe, entre outras ações e medidas, a ampliação dos serviços de atenção às mulheres em situação de violência, especialmente para atendimento às mulheres lésbicas e bissexuais; a implantação do serviço de atenção especializado no processo transexualizador para acompanhamento ambulatorial pré e pós operatório, incluindo psicossocial; o estabelecimento de protocolos e fluxos de atendimento específico; a capacitação de profissionais da saúde com foco na equidade do atendimento; e a articulação e formalização de parceria com a segurança pública.

O presidente do Conselho Estadual LGBT, Airton Ferreira, aprovou a iniciativa do debate. “Essa é uma discussão extremamente importante por tratar da oferta de um atendimento digno para a população LGBT. O Governo do Estado tem um comprometimento com essas políticas voltadas para o público LGBT e demais populações de maior vulnerabilidade. A própria institucionalização do conselho, que foi uma reivindicação do movimento LGBT, é prova disso”, ressaltou.

O encontro contou, ainda, com discussões sobre o tema “Descortinando a invisibilidade social e institucional da população LGBT”. O debate levantou dados brasileiros acerca de agressões sofridas por esse público. “Não podemos falar de políticas para a saúde sem enfrentar também essa questão da violência e discutir medidas que assegurem o acesso do público LGBT aos seus direitos”, explicou a professora Artenira Silva, pós-doutora em Psicologia, Educação e Saúde Coletiva e pesquisadora titular do mestrado de Direito e Instituições do Sistema de Justiça da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Além de técnicos da Secretaria de Estado da Saúde, participaram da reunião representantes de secretarias estaduais como Igualdade Racial (SEIR) e Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop), de secretarias municipais e de movimentos como Gayvota e o Centro de Cultura Negra do Maranhão.

Técnicos das secretarias estaduais de Saúde, Igualdade Racial e Direitos Humanos, além dos movimentos sociais, debatem sobre o Plano Estadual de Equidade em Saúde. (Foto: Francisco Campos/SES)

Técnicos das secretarias estaduais de Saúde, Igualdade Racial e Direitos Humanos, além dos movimentos sociais, debatem sobre o Plano Estadual de Equidade em Saúde. (Foto: Francisco Campos/SES)

FONTE: GOVERNO DO ESTADO

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.