Governador interino até o próximo dia 10, o vice-governador Carlos Brandão esteve nesta segunda-feira (7) em Teresina para prestigiar a posse do novo presidente do Tribunal de Justiça do Piauí, o desembargador Sebastião Ribeiro Martins, em solenidade que aconteceu do auditório do TJ-PI, com a presença de autoridades dos três Poderes. O presidente do TJ-PI, inclusive, destacou a presença de Brandão. “Sinto-me honrado em receber a presença do Governo do Maranhão neste momento. Somos irmanados em nossos propósitos de ver os nossos estados prosperarem. Somos separados, portanto, apenas pelo rio Parnaíba”. Acompanhando o governador interino, os desembargadores maranhenses Lourival Serejo (vice-presidente do TJMA) e José Bernardo Rodrigues (TJMA) também participaram do evento que celebrou a presença de um maranhense na mesa diretora do TJ-PI: o desembargador Hilo Almeida (corregedor geral de Justiça). O novo presidente do TJ-PI, desembargador Sebastião Martins, afirmou que a sua gestão terá como diretrizes fundamentais a expansão do Processo Judicial Eletrônico (Pje); fomentando a produtividade, dando maior eficiência à prestação jurisdicional; o incremento da política de Conciliação e Mediação, com ênfase na solução de conflitos e apoio à cultura da paz; e a ampliação da rede de enfrentamento à violência doméstica e familiar contra as mulheres. As diretrizes citadas pelo desembargador foram detalhadas no documento “Diretrizes – Gestão 2019/2020”, divulgada logo após a cerimônia que oficializou a sua presidência no TJ-PI. Também tomaram posse nesta segunda, os demais dirigentes da Corte para o biênio 2019/2020: os desembargadores Haroldo Oliveira Rehem (vice-presidente) e Oton Mário José Lustosa Torres (vice-corregedor geral de Justiça).

O ex-delegado de Esperantinópolis, Idaspe Perdigão Freire Júnior, foi preso na manhã de sábado (5), em sua residência na cidade de Barra do Corda, a 347 km de São Luís. Ele foi encaminhado para um presídio da Polícia Civil na cidade.

Segundo a polícia, em um intervalo de três meses ocorreram 99 violações contra a tornozeleira eletrônica a qual Idaspe estava obrigado a usar em cumprimento de medidas cautelares. Dentre as violações, foi registrado que ele deixava a bateria da tornozeleira completamente descarregada e também saía do perímetro onde deveria permanecer.

Essa é a segunda vez que o ex-delegado de Esperantinópolis é preso. Após sua primeira prisão, Idaspe conseguiu um habeas corpus para responder ao processo usando tornozeleira eletrônica.

Na primeira vez, em agosto de 2018, o ex-delegado foi preso por receber dinheiro para liberar veículos apreendidos, dentre outros crimes. Na época, a polícia também prendeu o carcereiro da delegacia, identificado como Raimundo.

“Em agosto foi por causa dos veículos, que ele estava fazendo a restituição mediante pagamento usando o carcereiro, o Raimundo. Também teve outros casos. Houve um caso específico em que o Raimundo pediu um dinheiro falando que era para um defensor público e a pessoa falou que não tinha dinheiro. A pessoa foi mandada para uma prisão em Pedreiras, sendo que nesse caso o delegado estava pedindo R$ 4 mil para liberar. E ainda tivemos informações de presos que tinham alguns benefícios, como cumprir pena solto. Tudo levava a crer que ele [Idaspe] recebia dinheiro, e por isso eles tinham esses benefícios”, informou a delegada Kelly Haraguchi, que comandou o inquérito contra o delegado Idaspe.

BLOG DJALMA RODRIGUES

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.