Europa enfrenta incêndios florestais com calor intenso

Centenas de mortes foram atribuídas ao aumento das temperaturas, que, segundo cientistas, são consistentes com as mudanças climáticas

Autoridades do sul da Europa lutaram no domingo para controlar grandes incêndios florestais em países como Espanha, Grécia e França, com centenas de mortes atribuídas ao aumento das temperaturas que, segundo cientistas, são consistentes com as mudanças climáticas.

Na Espanha, helicópteros jogaram água nas chamas, pois o calor acima de 40º C e o terreno montanhoso dificultavam o trabalho dos bombeiros.

Moradores chocados ao observarem as espessas nuvens de fumaça subindo acima do vale de Jerte, no centro-oeste, disseram que o calor estava tornando sua casa anteriormente verde e fresca mais parecida com o sul semiárido da Espanha.

“As mudanças climáticas afetam a todos”, disse o morador Miguel Angel Tamayo.

Um estudo publicado em junho na revista Environmental Research: Climate concluiu que era altamente provável que as mudanças climáticas estivessem piorando as ondas de calor.

Pelo menos 1.000 mortes foram atribuídas à onda de calor em Portugal e Espanha até agora. As temperaturas na Espanha chegaram a 45,7º C durante a onda de calor de quase uma semana.

A agência meteorológica da Espanha emitiu alertas de temperatura para domingo, com máximas de 42º C previstas em Aragão, Navarra e La Rioja, no norte.

Ele disse que a onda de calor terminaria na segunda-feira, mas alertou que as temperaturas permaneceriam “anormalmente altas”.

Os incêndios atingiram várias outras regiões, incluindo Castela e Leão, no centro da Espanha, e Galícia, no norte, na tarde de domingo. Na província de Málaga, no sul da Espanha, incêndios florestais se espalharam pela noite, afetando moradores locais perto de Mijas, uma cidade popular entre os turistas do norte da Europa.

Os aposentados britânicos William e Ellen McCurdy fugiram por segurança com outros evacuados em um centro esportivo local de sua casa no sábado, quando o incêndio se aproximou.

“Foi muito rápido… não levei muito a sério. Achei que eles tinham tudo sob controle e fiquei bastante surpreso quando parecia estar se movendo em nossa direção”, disse William, 68, à Reuters.

“Nós apenas pegamos alguns itens essenciais e corremos e, nesse estágio, todos na rua estavam em movimento”, disse Ellen.

Na França, os incêndios florestais já se espalharam por 11.000 hectares (27.000 acres) na região sudoeste de Gironde, e mais de 14.000 pessoas foram evacuadas, disseram autoridades regionais na tarde de domingo.

Mais de 1.200 bombeiros estavam tentando controlar as chamas, disseram as autoridades em um comunicado.

A França emitiu alertas vermelhos, os mais altos possíveis, para várias regiões, com os moradores instados a “estar extremamente vigilantes”.

Na Itália, onde incêndios menores ocorreram nos últimos dias, os meteorologistas esperam temperaturas acima de 40º C em várias regiões nos próximos dias.

Temperaturas semelhantes estão previstas na Grã-Bretanha na segunda e terça-feira, o que superaria um recorde oficial anterior de 38,7º C estabelecido em Cambridge em 2019.

O meteorologista nacional da Grã-Bretanha emitiu seu primeiro alerta vermelho de “calor extremo” para partes da Inglaterra. Os passageiros ferroviários foram aconselhados a viajar apenas se for absolutamente necessário e esperar atrasos e cancelamentos generalizados.

Centenas de mortos em Portugal

O Ministério da Saúde de Portugal disse no final do sábado que nos últimos sete dias 659 pessoas morreram devido à onda de calor, a maioria deles idosos.

O pico semanal de 440 mortes foi na quinta-feira, quando as temperaturas ultrapassaram 40º C em várias regiões e 47º C em uma estação meteorológica no distrito de Vizeu, no centro do país.

Até sábado, havia 360 mortes relacionadas ao calor na Espanha, segundo dados do Instituto de Saúde Carlos III.

Portugal enfrenta uma seca extrema – com 96% do continente em seca severa ou extrema no final de junho, antes da recente onda de calor, segundo dados do instituto nacional de meteorologia.

O comandante da Autoridade de Emergência e Proteção Civil, André Fernandes, exortou as pessoas a tomarem cuidado para não acender novos incêndios em condições tão secas.

Na Grécia, a brigada de incêndio disse no sábado que 71 incêndios começaram em um período de 24 horas. Autoridades locais da brigada de incêndio na ilha de Creta disseram no domingo que um incêndio que assola a floresta e as terras agrícolas foi parcialmente contido.

Fonte: CNN BRASIL

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.