Eleições 2020: Polícia Civil contabiliza 75 prisões por crime eleitoral

Um total de 75 pessoas foram presas em flagrante no Maranhão pela prática de crime eleitoral. O número é resultado das atividades da Polícia Civil durante a operação Eleições 2020, e divulgado em coletiva à imprensa na manhã desta segunda-feira (16), na sede da corporação, bairro Outeiro da Cruz. A operação foi realizada de 13 a 16 de novembro e inclui ainda apreensão de 14 armas de fogo, 120 boletins de ocorrência registrados e mais de R$ 160 mil em dinheiro apreendidos. 

O delegado geral de Polícia Civil, Armando Pacheco, conduziu a coletiva e pontuou algumas ocorrências. “Avaliamos com êxito os resultados deste trabalho da Polícia Civil, que mobilizou diversas equipes para o interior de Estado, além de mantermos o regime de plantão na capital. O objetivo na garantia de um processo eleitoral pacífico e dentro das normas foi cumprido”, destacou o delegado Pacheco. Outros crimes como tráfico de drogas, furto e violência doméstica também foram registados na operação.

Em Itinga, uma pessoa foi presa suspeita da prática de corrupção eleitoral. A partir de denúncias via Whatsapp, a polícia soube de suposta compra de votos, no bairro Jardim Planalto.  Se deslocando até a área, a polícia identificou o suspeito, que foi flagrado com diversos objetos (caderno com nomes de pessoas e anotações de valores em dinheiro; “miguelitos”, espécie de item perfurante; materiais de campanha como camisas, santinhos e outros). O preso foi autuado em flagrante pelo crime de corrupção eleitoral.

Operação da polícia resultou em 120 boletins de ocorrência (Foto: Handson Chagas)

Em Imperatriz, três pessoas foram presas e autuadas por furto qualificados e o material que estava com eles foi apreendido pela polícia. Um caso de violência doméstica na cidade de Santa Inês, resultou na prisão em flagrante de um homem. Ele é apontado por agressão à companheira e tortura psicológica dos filhos, que são menores de idade. O suspeito foi encaminhado para o sistema prisional e ficará à disposição do judiciário.

Os 120 boletins de ocorrência são originados de incursão da Polícia Militar e prisão da Polícia Civil. Destes, 75 presos e as 45 restantes estão sob apuração da Polícia Civil. Participaram ainda da coletiva, o titular da Superintendência Polícia Civil do Interior (SPCI), Jorge Pacheco; e o delegado geral-adjunto operacional, Danilo Veras.

“Realizamos um trabalho considerado tranquilo, seguindo plano de ação e que se deu de acordo com o esperado, apesar das intercorrências citadas. Nosso efetivo atuou para cobertura dos 2017 municípios e sabemos que, historicamente, as eleições municipais são mais acirradas. O trabalho preventivo das forças de Segurança durante as eleições tiveram excelente resultado”, considerou Pacheco.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.