Conferência Municipal define propostas para a área de segurança alimentar

Discussão, análise e definição das propostas para execução de políticas públicas na área alimentar marcaram o encerramento da V Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional neste sábado (20). Dos três eixos temáticos, foram escolhidas 21 ações a serem apresentadas nos eventos estadual (seis) e nacional (três). Para o âmbito do município, as entidades escolheram 12 sugestões de políticas. O evento é uma iniciativa do Conselho Municipal de Segurança Alimentar (Comsea) e realizado pela Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Segurança Alimentar (Semsa).
Com a definição, cabe às gestões avaliar as proposições e por em prática. “Foi uma debate que resultou em medidas de extrema urgência para o resultado positivo das políticas alimentares e sabemos que foram elaboradas com base na necessidade e viabilidade”, disse a titular da Segurança Alimentar municipal, Fatima Ribeiro.
A conferência pôs em debate a Comida de Verdade no Campo e na Cidade: por Direitos e Soberania Popular. O tema foi definido mundialmente pela Organização das Nações Unidas (ONU), por meio do (Pnud). Durante dois dias, entidades e representantes da sociedade civil formularam e escolheram as ações que mais atendem às necessidades do setor.
As propostas escolhidas contemplam ações de segurança alimentar na área da educação, saúde, cultura, capacitação, inclusão social, assistência técnica e social. Os eixos contemplaram o combate à fome e o desperdício de alimentos, doenças causadas pela má alimentação e instrumentos de execução da política do setor (cozinhas comunitárias, Banco de Alimentos e restaurantes).
Entre as sugestões está a construção de 60 cozinhas comunitárias no estado e mais cinco no município; criação da Lei de Incentivo Fiscal nas três esferas com destinação dos recursos para o Fundo da Segurança Alimentar; e alimentação escolar específica para alunos com deficiência e restrição alimentar.
“Entendemos que a sociedade civil definiu aquelas propostas que atendem às demandas do setor e da população alvo das políticas”, destaca o presidente do Comsea, Iraelson Ferreira. Em sua avaliação, o evento foi positivo e levou ao debate questões indispensáveis para o acesso à alimentação segura pelas comunidades. Estas proposições serão apresentadas na conferência estadual, marcada para o mês de agosto; e na nacional, prevista para novembro, em Brasília.
As conferências são o espaço adequado para que estas discussões sejam feitas e as políticas elaboradas para execução, observou o vice-presidente do Comsea, Ribamar Rocha. Ele citou que, fruto de discussões foram conquistados instrumentos importantes da Segurança Alimentar, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), o programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) e a Cozinha Comunitária da Vila Cascavel.
“Há obstáculos, mas devemos ultrapassá-los. Podemos não conseguir atender a todas as demandas, mas teremos retorno de parte delas. Por isso a importância destas discussões e dessa conferência”, ressaltou o pescador e membro do Conselho Comunitário de Defesa Social, do Rio Grande, João Batista Neto, 39 anos.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.