Aluno armado atira e fere dois colegas em colégio de Medianeira

Um adolescente, de 15 anos, entrou armado e atirou contra colegas de classe do Colégio Estadual João Manoel Mondrone, em Medianeira, no oeste do Paraná, a 60 km de Foz do Iguaçu.

O ataque foi registrado por volta das 9h desta sexta-feira (28).

Segundo a polícia, dois alunos ficaram feridos, um deles, de 15 anos, gravemente, com um tiro nas costas, próximo à coluna vertebral. Ele foi transferido para o Hospital Municipal de Foz do Iguaçu.

O outro, de 18 anos, foi atingido de raspão em uma das pernas. Ele foi encaminhado ao hospital, recebeu um curativo e liberado.

O suspeito e outro adolescente, também de 15 anos e que supostamente dava cobertura ao atirador, foram apreendidos e levados para a delegacia.Na casa do adolescente, policiais apreenderam armas, munição e bombas caseiras — Foto: PM/Divulgação

Na casa do adolescente, policiais apreenderam armas, munição e bombas caseiras — Foto: PM/Divulgação

No momento do ataque, houve tumulto e correria.

À polícia, o estudante, que é filho de agricultores, disse que vinha sofrendo bullying, que tinha ao menos cinco alvos e que saiu de casa decidido a praticar o ataque. Com os dois foram apreendidos um revólver calibre 22, munição e uma faca.

De acordo com a polícia, uma carta com pedido de desculpas foi encontrada no material escolar do suspeito, além de recortes com notícias de ataques em escolas dos Estados Unidos e do Brasil.Sala de aula onde ocorreu o ataque será periciada — Foto: Bruna Kobus/RPC

Sala de aula onde ocorreu o ataque será periciada — Foto: Bruna Kobus/RPC

“É considerado uma espécie de atentado. Os alunos eram vítimas de bullying. Um veio com bomba e o outro com uma arma. A bomba foi explodida no pátio do colégio. Na carta encontrada na mochila de um dos alunos ele se justifica sobre o que aconteceu. Ele se sentia menosprezado e humilhado”, comentou o delegado Denis Merino.

A carta será periciada e a letra comparada com a dos alunos apreendidos.

Na casa do atirador, policiais encontraram mais armas, facas e bombas caseiras.Nas paredes da sala de aula ficaram algumas marcas dos tiros disparados pelo adolescente de 15 anos — Foto: Bruna Kobus/RPC

Nas paredes da sala de aula ficaram algumas marcas dos tiros disparados pelo adolescente de 15 anos — Foto: Bruna Kobus/RPC

Os pais dos dois adolescentes também foram levados à delegacia para prestar esclarecimentos.

“Vamos apurar qual a origem das armas. Constatadas as origens, se confirmadas serem dos pais, eles também deverão ser responsabilizados”, completou o delegado.

Os menores devem responder por dupla tentativa de homicídio.

Por conta do ataque, as aulas no Colégio Estadual João Manoel Mondrone foram suspensas à tarde.

Segundo a polícia, o ataque foi registrado na manhã desta sexta-feira (28), no Colégio Estadual João Manoel Mondrone, em Medianeira — Foto: Divulgação

Segundo a polícia, o ataque foi registrado na manhã desta sexta-feira (28), no Colégio Estadual João Manoel Mondrone, em Medianeira — Foto: Divulgação

Momentos de tensão

O diretor do colégio, Darlan Chiamulera, considerou o ataque um “episódio lamentável” e disse que toda a comunidade escolar está abalada. Ele afirmou que o adolescente, que cursa o 1º ano do ensino médio é um excelente aluno e que não havia chegado à direção informações de que vinha sofrendo bullying.

Chiamulera descreveu os momentos de tensão vividos pelos alunos e professores.

“Era o momento da segunda aula, eu conversava com um dos meninos na direção, e naquilo a gente escutou alguns barulhos mais fortes, de explosão, e estampido, e o pessoal correndo falando que havia sido tiros. Corri em direção à sala. Encontrei um dos meninos feridos, que estava sendo socorrido pela professora”, comentou.

Enquanto ia para a sala onde ocorreu o ataque, ele disse ter se deparado com o atirador.

“Quando ele me viu, eu falei: ‘Paulo, o que está acontecendo?’. Aí ele decidiu retornar. Ele estava com a arma na mão. Estava vindo na direção, não sei o que ele estava pensando”, contou.

O diretor disse ainda que tentou acalmar o estudante.

“Fui conversando para tentar colocar num lugar que ele não colocasse mais ninguém em risco, porque ele já tinha atingido dois alunos. É uma situação que a gente não sabe como reagir. Eu só pedi para os alunos ficarem dentro da sala para não ter mais nenhum ferido”, lembrou.Arte tiros — Foto: Arte/G1

Arte tiros — Foto: Arte/G1

FONTE G1

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.