ABERTURA MODERADA NO IBOVESPA E NO DÓLAR

Com uma reação moderada, a bolsa brasileira abriu a semana com queda de 200 pontos no futuro do Ibovespa, a 87800, com queda de 0,2%. O dólar futuro opera perto da estabilidade, dando um sinal de indiferença às quedas das bolsas globais e aos futuros dos índices acionários dos EUA. A principal notícia econômica com impacto sobre o Brasil foi dada na sexta-feira, após o pregão. A taxa de crescimento das importações da China caiu de 21,4% em outubro para apenas 3% em novembro. “As exportações também tiveram seu crescimento em queda, de 15,6% para 5,4%. Analistas imputaram esse comportamento aos efeitos da guerra comercial. O que vale ressaltar, no entanto, é que a desaceleração do comércio externo tem impacto no crescimento chinês e, dado seu papel sobre a economia brasileira, ela vai afetar as expectativas em relação à economia doméstica”, explica Pedro Paulo Silveira, Economista-Chefe da Nova Futura Investimentos.

O Copom inicia suas reuniões amanhã, anunciando a taxa SELIC na quarta. A expectativa é de um comunicado positivo para o balanço dos riscos, apontando uma forte desaceleração do IPCA, queda nas expectativas para a inflação e recuperação da atividade em ritmo moderado. A reunião deve manter a tendência de redução da SELIC esperada para 2019. O final de semana teve alguns ruídos em relação ao governo Bolsonaro que podem, junto com o aumento da aversão externa ao risco, colocar um pouco de pressão sobre os ativos locais. “Primeiro, os desdobramentos dos depósitos na conta do motorista de Flávio Bolsonaro. Apesar não ter consequências práticas para o Presidente eleito, que deve ser diplomado hoje pelo TSE, pode aumentar os custos políticos para o novo governo realizar as reformas. Segundo, os desdobramentos dos ruídos gerados pela comunicação interna do PSL, envolvendo Joice Hasselman, major Olímpio e Eduardo Bolsonaro”, ressalta.

Durante a semana, na quinta-feira, o BCE decide sua taxa básica e deve mantê-la em -0,4%. A Europa deve continuar chamando a atenção, com o recrudescimento das manifestações na França, que podem colocar a saída do país da União Europeia na agenda. Nos EUA saem dados de atividade econômica ao longo da semana, mas a expectativa é de manutenção do viés mais dovish do FED. “O que preocupa, de fato, é manutenção das preocupações em relação à guerra comercial com a China e com a possível desaceleração da economia mundial no ano que vem. Por conta disso, o S&P 500 já acumula queda em 2018”, finaliza Pedro Paulo Silveira.

 

Sobre a Nova Futura Investimentos

Sócia-fundadora da BM&BOVESPA, a Nova Futura Investimentos, foi fundada em 1983, atua nos mercados de commodities, renda fixa, renda variável e seguros. Com presença nacional, a instituição financeira conta com 21 escritórios espalhados por diversas cidades do país. Ao longo de mais de três décadas de existência, se consolidou como uma das maiores e mais independentes casas de investimentos do Brasil.

Com tradição no mercado institucional, vem se tornando referência no varejo, oferecendo a mesma qualidade já ofertada ao mundo empresarial agora também para pessoas físicas. Em 2017, confirmando a tradição de excelência, a corretora recebeu o selo Nonresident Investor Broker, que reconhece a estrutura organizacional e tecnológica especializada na prospecção de clientes, prestação de serviços de atendimento consultivo assim como execução de ordens e distribuição de produtos da BM&FBovespa para investidores não residentes.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.