Sectec vai ampliar projeto de Alfabetização Via Rádio

Coordenadores do projeto de Alfabetização Via Rádio da Universidade Virtual do Maranhão (Univima) estiveram reunidos, em São Luís, com o secretário de Estado da Ciência e Tecnologia, Waldir Maranhão. O encontro aconteceu na sede da reitoria da Univima e serviu para fazer uma avaliação do primeiro semestre de execução do projeto nos 64 municípios atendidos.

A reunião serviu para conhecer ponto a ponto a realidade de cada município integrado ao projeto e discutir a formatação de um seminário que deve integrar, além dos coordenadores, a gestão da universidade, os técnicos e tutores que apóiam o projeto no interior e a equipe do instituto Paulo Freire, parceiro no projeto.

Inicialmente, o projeto tinha como objetivo alfabetizar 10 mil pessoas no interior do Maranhão. Segundo a coordenadora geral, Imara Helena Alves, o objetivo é a alfabetização de quebradeiras de coco, pescadores e lavradores nos 64 municípios de menor IDH (índice de desenvolvimento humano) no Estado do Maranhão por meio de programas de rádio e aulas complementares em cada localidade. A professora Imara destaca que, mesmo sendo um processo coletivo de aprendizagem, o aluno tem um acompanhamento individual realizado por professores que permite que todos fiquem no mesmo nível de aprendizagem.

A princípio 64 municípios foram beneficiados pelo projeto que será ofertado agora aos municípios da Ilha de São Luís (São Luís, Paço do Lumiar, Raposa e São José de Ribamar). Segundo o pró-reitor de Pesquisa e Extensão da Univima, Elismar Azevedo, existe um grande número de analfabetos na grande São Luís que muitas vezes não são percebidos. Existem nestes municípios uma grande área rural que dificulta o acesso dessa população até aos processos iniciais de educação, ressalta.

 Para o secretário Waldir Maranhão, o projeto tem um grande alcance social e a reunião, com os seus coordenadores, serviu para ver o resultado positivo que ele vem alcançando em todos estes municípios. “Temos que ampliar as ofertas de educação em todos os níveis e utilizar ferramentas tecnológicas que tornem estes processos viáveis para um número cada vez maior de maranhenses”, disse.

 A alfabetização acontece por meio de rádios-aulas, reprises e revisão com apoio presencial. Segundo Imara Helena, o aluno ouve o rádio em casa, no seu espaço de trabalho, de forma que também pode aprender enquanto cuida de outras atividades. “Os temas serão trabalhados de forma flexível e reconstruídos dentro da realidade do aluno e de cada região, de forma que provoque curiosidade e estímulo nas atividades desenvolvidas no seu dia a dia”, disse.

Para a lavradora Terezinha de Maria Alves Silva, de 49 anos, moradora do município de Cachoeira Grande esta é uma oportunidade de realizar um sonho que foi impossível na infância. “É muito importante poder usar uma caneta em vez de um dedo no lugar de assinar o nome. Essa é uma oportunidade não só para mim, mas também para todas estas pessoas que nunca puderam estudar”, disse Terezinha, lavradora e mãe de 16 filhos.

O programa é pioneiro no Maranhão e tem como referência o estado da Paraíba, que conseguiu minimizar o índice de analfabetismo utilizando a mesma metodologia voltada para classes de trabalhadores específicas. Para isso, serão distribuídos kits que contêm material de apoio, como pastas com cadernos, canetas, lápis e borracha, e um rádio de pilha para cada estudante; CDs e DVDs com as aulas, além de aparelhos de DVDs para serem instalados nas salas de aula.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.