População está divida entre festa e lamento pela morte de Fidel

 

O clima era ameno pelas ruas de Havana na manhã deste sábado (26), após a morte do principal ícone da revolução cubana, Fidel Castro.

No final da noite de sexta (25), quando Raul Castro foi à televisão fazer o pronunciamento oficial da morte do irmão, o sentimento era de incerteza sobre como Cuba amanheceria.

A população, porém, acredita que pode haver embate entre governo e a oposição durante o dia, uma vez que é esperada a chegada de Berta Soler, líder de um grupo contra o regime de Fidel e Raúl, chamado “Donas de Branco” (em tradução livre). A mulher estaria em visita aos EUA e viria a Havana neste sábado (26).

A expectativa é que cidadãos contrários ao governo se reúnam pelas ruas de Havana velha, área de grande movimentação na capital.

A noticia da morte de Fidel foi encarada de formas diferentes pelos cubanos.Enquanto alguns comemoravam pelas ruas, outros lamentavam a morte do ditador, visto como herói por parte da população, principalmente pelas pessoas mais velhas, que viram de perto este trecho da historia.

Os cubanos mais jovem carregam uma mentalidade menos romântica da revolução e reclamam do isolamento em que vivem. É comum andar pelas ruas e encontrar pessoas vestindo o símbolo americano dos pés à cabeça e ver placas nas casas contra o embargo.

Nos Estados Unidos, milhares de pessoas, sobretudo cubanos exilados, foram as ruas em Little Havana, Miami, para comemorar a morte de Fidel Castro. Com informações da Folhapress.

 

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.