Incremento na cadeia do leite: Com apoio do Governo, Piracanjuba vai instalar primeira fábrica do Norte/Nordeste no Maranhão

O Maranhão tem avançado nas políticas de atração de investimentos, o que contribui para o adensamento de diversas cadeias produtivas. Nesta quinta-feira (1), foi anunciado a  instalação de uma fábrica do laticínios Bela Vista, responsável pela marca  Piracanjuba, em Imperatriz, que beneficiará a cadeia do leite na região Tocantins.

A tratativa para a instalação do empreendimento foi intermediada pelo Governo do Estado por meio da Secretaria de Indústria e Comércio (Seinc), sendo iniciada no ano passado.  Piracanjuba, vão se instalar na estrutura da antiga Palate, da  Corpeleite, que foi arrematada em um leito pelo grupo maranhense Mateus.

“Assim que soubemos do resultado do leilão entramos em contato com o grupo Mateus e com a Piracanjuba, para a instalação dessa fábrica. Com a chegada da Piracanjuba, teremos um impacto na cadeia do leite, a na geração de emprego e renda”, disse o Secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo.

A chegada da fábrica da impactar diretamente nos produtores e leite, pois muitos foram afetados com a fachada da Coperleite na Região, o que afetou inclusive o preço do litro de leite no mercado.

Perspectivas

Atualmente, o  Brasil é o 4º maior produtor de leite do mundo com 32 bilhões de litros, atrás apenas dos EUA, Índia e China. O setor teve um aumento de 4,4% ao ano, no período de 2000 a 2011.

O Maranhão possui uma produção anual de 393 milhões de litros de leite, colocando o estado na 4ª posição em relação à produção do Nordeste e em 16º lugar no ranking nacional. As bacias leiteiras mais importantes são a do Oeste Maranhense e a Centro Maranhense que contribuem com 59% e 20%, respectivamente, do leite produzido no Estado. O Estado conta com mais de  16 mil  estabelecimentos produtores de leite.

Com os trabalhos executados pelo Governo, a cadeia do leite ganha uma nova perspectiva contribuindo para o fortalecimento do setor, na geração de emprego, renda e desenvolvimento.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.