ENGIE BRASIL Energia realiza projeto de educação e sustentabilidade em cinco estados brasileiros

 

unnamedunnamed-1Nunca falou-se tanto na importância do papel de cada indivíduo no desenvolvimento de comunidades mais engajadas, sustentáveis e com melhor qualidade de vida. E foi seguindo esta tendência da sociedade contemporânea, na qual cada um é peça fundamental para o coletivo, que a ENGIE BRASIL Energia realiza o projeto Écom.VC.

Desde junho, o projeto trabalha o cidadão dentro da sua comunidade, seguindo um caminho que o levará da responsabilidade à sustentaNunca falou-se tanto na importância do papel de cada indivíduo no desenvolvimento de comunidades mais engajadas, sustentáveis e com melhor qualidade de vida. E foi seguindo esta tendência da sociedade contemporânea, na qual cada um é peça fundamental para o coletivo, que a ENGIE BRASIL Energia realiza o projeto Écom.VC.

Desde junho, o projeto trabalha o cidadão dentro da sua comunidade, seguindo um caminho que o levará da responsabilidade à sustentabilidade deste local. De acordo com Júlio Lunardi, diretor administrativo e coordenador do Comitê de Sustentabilidade da ENGIE BRASIL Energia, ao longo da execução do Écom.VC os cidadãos passarão a impactar positivamente as suas respectivas comunidades. “Queremos dar condições para que cada um possa contribuir e se responsabilizar por onde reside, e consequentemente provocar impactos”, explica.

As ações são realizadas nas cidades de Rio Bonito do Iguaçu (PR), Estreito (MA), Trairi (CE), Lajes (RN) e Umburanas (BA), locais que sediam unidades de atuação da ENGIE BRASIL Energia, sejam em operação ou em fase de implementação. Com o perfil de cada cidade beneficiada em mãos, a produção do projeto identificou que poderia unificar as necessidades das regiões e trabalhar de forma multidisciplinar; assim, o projeto foi dividido em quatro eixos: Ar, Terra, Água e Sol.

No eixo Ar a educação de jovens e adolescentes é a prioridade, com a realização de um concurso cultural, visando o aprimoramento de conteúdo dentro das escolas, como cidadania, meio ambiente, responsabilidade e, principalmente, o uso consciente de energia e de recursos naturais. “Queremos que os participantes passem a ter um comportamento positivo, para que sejam mais engajados e tenham mais responsabilidades dentro das suas comunidades, e que isso se espalhe para seu entorno”, justifica Lunardi.

Já no eixo Terra o foco é no reflorestamento de mata ciliar e/ou agroflorestal com o cultivo de manejo sustentável (sem corte das árvores) e ainda a implementação de corredores ecológicos, permitindo, ao final do projeto, que a fauna e a flora, específica de cada região, possa se reproduzir melhor. Ao final, o Écom.VC espera promover a demarcação, cercamento, instalação de bebedouros e mangueiras, execução de plantios em pelo menos 45 propriedades rurais dos municípios. Além de incentivar a produção e o plantio de espécies florestais nativas de cada região e a criação de pelo menos duas hortas comunitárias em cada uma das cidades atendidas.

A proteção de nascentes é o trabalho condutor do eixo Água. “Preservar não é proteger”, explica o gerente de meio ambiente da ENGIE BRASIL Energia, José Lourival Magri. Isto porque isolar as nascentes, evitando que animais não se aproximem, preserva a área, mas não a protege de contaminações. Hoje, a maior parte das fontes naturais do Brasil não são potáveis para consumo, e com a instalação de reservatórios, de caixa estanque e com a eliminação do acesso dos animais, os moradores das regiões contempladas terão uma água potável para o consumo humano – o que irá impactar diretamente na saúde, qualidade de vida e educação ambiental das comunidades atendidas.

Por fim, o eixo Sol trabalha na questão dos resíduos sólidos, conscientizando a população sobre a importância de fomentar a cadeia da coleta seletiva, reciclagem de resíduos e geração de renda das comunidades. Dentre as ações previstas está catalogar as famílias que vivem ou têm interesse de trabalhar nesta área, em parceria com o poder público, e auxiliar na formalização de associações locais que contemplem cooperativas de reciclagem. No plano de ação do eixo Sol ainda serão instalados “ecopontos” em cada uma das cidades, para conscientização sobre descarte eficiente.

De acordo com Lunardi, um dos pontos positivos é a soma da expertise de organizações/entidades que já atuam com os temas dos eixos contemplados no projeto. ”Buscamos promover a formação completa dos envolvidos, independentemente da idade, atuação e/ou formação, afinal todos estão dispostos por um bem comum”, diz. “Nosso maior legado será apresentar ações não pontuais, mas focadas na qualidade, que serão mensuradas por meio de metas comportamentais. Ou seja, educando”, completa.

Todas ações e evolução do projeto podem ser acompanhadas através do site www.ecom.vc ou das redes sociais: facebook/projetoecomvc ou instagram.com/ECOMVC. O projeto é uma realizaçbilidade deste local. De acordo com Júlio Lunardi, diretor administrativo e coordenador do Comitê de Sustentabilidade da ENGIE BRASIL Energia, ao longo da execução do Écom.VC os cidadãos passarão a impactar positivamente as suas respectivas comunidades. “Queremos dar condições para que cada um possa contribuir e se responsabilizar por onde reside, e consequentemente provocar impactos”, explica.

As ações são realizadas nas cidades de Rio Bonito do Iguaçu (PR), Estreito (MA), Trairi (CE), Lajes (RN) e Umburanas (BA), locais que sediam unidades de atuação da ENGIE BRASIL Energia, sejam em operação ou em fase de implementação. Com o perfil de cada cidade beneficiada em mãos, a produção do projeto identificou que poderia unificar as necessidades das regiões e trabalhar de forma multidisciplinar; assim, o projeto foi dividido em quatro eixos: Ar, Terra, Água e Sol.

No eixo Ar a educação de jovens e adolescentes é a prioridade, com a realização de um concurso cultural, visando o aprimoramento de conteúdo dentro das escolas, como cidadania, meio ambiente, responsabilidade e, principalmente, o uso consciente de energia e de recursos naturais. “Queremos que os participantes passem a ter um comportamento positivo, para que sejam mais engajados e tenham mais responsabilidades dentro das suas comunidades, e que isso se espalhe para seu entorno”, justifica Lunardi.

Já no eixo Terra o foco é no reflorestamento de mata ciliar e/ou agroflorestal com o cultivo de manejo sustentável (sem corte das árvores) e ainda a implementação de corredores ecológicos, permitindo, ao final do projeto, que a fauna e a flora, específica de cada região, possa se reproduzir melhor. Ao final, o Écom.VC espera promover a demarcação, cercamento, instalação de bebedouros e mangueiras, execução de plantios em pelo menos 45 propriedades rurais dos municípios. Além de incentivar a produção e o plantio de espécies florestais nativas de cada região e a criação de pelo menos duas hortas comunitárias em cada uma das cidades atendidas.

A proteção de nascentes é o trabalho condutor do eixo Água. “Preservar não é proteger”, explica o gerente de meio ambiente da ENGIE BRASIL Energia, José Lourival Magri. Isto porque isolar as nascentes, evitando que animais não se aproximem, preserva a área, mas não a protege de contaminações. Hoje, a maior parte das fontes naturais do Brasil não são potáveis para consumo, e com a instalação de reservatórios, de caixa estanque e com a eliminação do acesso dos animais, os moradores das regiões contempladas terão uma água potável para o consumo humano – o que irá impactar diretamente na saúde, qualidade de vida e educação ambiental das comunidades atendidas.

Por fim, o eixo Sol trabalha na questão dos resíduos sólidos, conscientizando a população sobre a importância de fomentar a cadeia da coleta seletiva, reciclagem de resíduos e geração de renda das comunidades. Dentre as ações previstas está catalogar as famílias que vivem ou têm interesse de trabalhar nesta área, em parceria com o poder público, e auxiliar na formalização de associações locais que contemplem cooperativas de reciclagem. No plano de ação do eixo Sol ainda serão instalados “ecopontos” em cada uma das cidades, para conscientização sobre descarte eficiente.

De acordo com Lunardi, um dos pontos positivos é a soma da expertise de organizações/entidades que já atuam com os temas dos eixos contemplados no projeto. ”Buscamos promover a formação completa dos envolvidos, independentemente da idade, atuação e/ou formação, afinal todos estão dispostos por um bem comum”, diz. “Nosso maior legado será apresentar ações não pontuais, mas focadas na qualidade, que serão mensuradas por meio de metas comportamentais. Ou seja, educando”, completa.

Todas ações e evolução do projeto podem ser acompanhadas através do site www.ecom.vc ou das redes sociais: facebook/projetoecomvc ou instagram.com/ECOMVC. O projeto é uma realizaç

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.