Dólar vai a R$ 5,33 após aprovação de ‘PEC Kamikaze’ no Senado

Na quinta-feira (30), a moeda norte-americana fechou a R$ 5,2327 e acumulou alta mais de 10% em junho.

dólar opera em forte alta nesta sexta-feira (1), com os investidores monitorando o aumento dos riscos fiscais no Brasil após o Senado ter aprovado na véspera proposta que libera um gasto bilionário às vésperas da eleição.

Às 11h15, a moeda norte-americana subia 1,99%, vendida a R$ 5,3366. Na máxima até o momento, chegou a R$ 5,3282.

O dólar turismo, preço de referência para casas de câmbio, tem alta de 1,89% e é vendido por R$ 5,5079. Veja mais cotações.

A última vez que o dólar superou o patamar de R$ 5,30 foi no dia 4 de fevereiro, quando fechou a R$ 5,3206.

Com a performance desta sexta-feira, o dólar caminhava para registrar uma quinta semana consecutiva de ganhos.

Na quinta-feira, o dólar encerrou em alta de 0,78%, a R$ 5,2327. Com o resultado, acumulou um salto de 10,13% em junho. No ano, ainda tem desvalorização de 6,14% frente ao real.

Fonte: Valor Pro

O que está mexendo com os mercados?

O Senado aprovou na quinta-feira a PEC (proposta de emenda à Constituição) que libera R$ 41 bilhões em gastos a pouco mais de três meses das eleições. A PEC segue agora para a Câmara dos Deputados. Se aprovada pelos deputados, seu impacto nos cofres públicos pode chegar a R$ 41,2 bilhões.

Apelidada de “PEC Kamikaze”, ela reacendeu temores fiscais e de uma pressão ainda maior nos juros e inflação. Analistas apontam também que a proposta é uma forma jurídica de tentar burlar a lei eleitoral.

Na agenda de indicadores, o IBGE divulgou que o Índice de Preços ao Produtor (IPP), subiu 1,83% em maio. No acumulado em 12 meses, a chamada inflação de “porta de fábrica”, sem impostos e fretes, atingiu 19,15%. Vinte e uma das 24 atividades acompanhadas pelo IPP tiveram aumento de preços em maio.

Na véspera, o Banco Central admitiu oficialmente que a meta de inflação, em 2022, será descumprida pelo segundo ano seguido. o BC estimou em relatório uma alta de preços de 8,8% para 2022; de 4% para 2023 e de 2,7% para 2024.

No exterior, o foco permanece nos temores de uma recessão global, com os investidores em busca de pistas sobre a trajetória das taxas dos juros nos EUA e na Europa.

A inflação da zona do euro atingiu mais um recorde em junho, chegando a 8,6% em 12 meses, reforçando a expectativa de alta maior dos juros.

Os preços do petróleo tinham alta acima de 2% nesta sexta, enquanto que os do minério de ferro e do aço fecharam em queda nos mercados asiáticos.

Fonte: G1

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.