Divulgado resultado parcial de projetos da RedeBio

Após a análise de propostas submetidas pelos Estados do Acre, Amazonas, Maranhão, Pará e Tocantins, o Comitê Gestor da Rede Amazônica de Pesquisa e Desenvolvimento de Biocosméticos (RedeBio) divulga o resultado da avaliação que recomenda 24 projetos de pesquisa sobre a cadeia produtiva de quatro insumos regionais: andiroba, copaíba, castanha-do-brasil e babaçu, alguns dos recursos naturais da floresta que podem virar produtos inovadores em biocosméticos. O resultado completo está disponível no Portal da Fapema (www.fapema.br).

As propostas devem agrupar a formação de quatro redes de pesquisa: Rede de Padronização dos óleos de andiroba e copaíba da Amazônia (Repacam), coordenada por Jefferson Rocha de Andrade Silva; Rede para desenvolvimento de C.T&I na geração de insumos da andiroba para aplicação na indústria de cosméticos, com Cecília Verônica Nunez, na coordenação; Rede para o fortalecimento e inovação estratégica da cadeia produtiva de óleos da Amazônia aplicados em cosméticos (Rede Anaua), coordenada por Wagner Luiz Ramos Barbosa; e a Rede Babaçu-Mampa, com Maria Nilce de Souza Ribeiro, como coordenadora.

Ao todo, foram submetidas 42 propostas, sendo 19 do Amazonas, oito do Pará, sete do Maranhão, cinco do Acre e três do Tocantins. Das propostas recomendadas, o maior número ficou com o Estado do Amazonas, que teve 12 projetos aprovados. Em seguida, vem o Estado do Pará com seis projetos aprovados. O Acre e o Maranhão tiveram o mesmo número de propostas recomendadas, três em cada estado.

Dos projetos maranhenses, um pertence à Rede para o Fortalecimento e Inovação Estratégica da Cadeia Produtiva de Óleos da Amazônia Aplicados em Cosméticos, e os outros dois integram a Rede Babaçu.

Apesar das recomendações, esta ainda não é a decisão final do comitê, que deverá definir o resultado final do edital após a conclusão da etapa de ajustes técnicos e orçamentários.

Para a diretora-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Maranhão (Fapema), Rosane Nassar Meireles Guerra, a sistemática de fomentar pesquisa em rede é interessante, principalmente, nas regiões Norte/Nordeste. “A possibilidade de somar as competências locais por meio deste edital da Redebio tem grande importância pela sua interface entre a pesquisa e a indústria”, lembrou.

Sobre a RedeBio

A Redebio é resultado de uma aliança formada entre as Fundações de Amparo a Pesquisa dos Estados do Pará (Fapesa), Amazonas (Fapeam), Maranhão (Fapema), Acre (Funtac) e a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado do Tocantins (SECT/TO), que reuniram esforços para promover a formação e o fomento de uma rede de caráter interregional e interdisciplinar.

O objetivo da Redebio é apoiar atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, mediante a seleção de propostas para apoio financeiro a projetos em rede de pesquisa interregional e interdisciplinar em biocosméticos, fortalecendo cadeias extrativistas da região, melhorando os sistemas produtivos e apoiando comunidades para alcançar melhores níveis de sustentabilidade dessas comunidades.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.