Comissão discute universalização de bibliotecas no MA

A Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura e Desporto, presidida pelo deputado Alberto Franco (PMDB), esteve reunida hoje (22) de manhã com profissionais de biblioteconomia para cobrar a universalização das bibliotecas nas escolas públicas do estado. Durante a audiência, representantes do Conselho Regional de Biblioteconomia do Maranhão (CRB-MA) e da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) relataram as condições da estrutura física e do acervo histórico das bibliotecas do estado.

A iniciativa da reunião é levar para a Assembleia Legislativa uma reflexão sobre as bibliotecas públicas do Maranhão. “Realizamos um estudo e chegamos à conclusão que existe um número significativo de instalações, mas sem condições adequadas de utilização e com acervo ultrapassado. Além disso, elas não possuem profissionais aptos para prestar informações precisas aos usuários. A biblioteca é uma extensão da sala de aula e deve estar preparada para exercer esse papel”, defendeu a professora Mary Ferreira, coordenadora do Núcleo de Estudos de Bibliotecas Públicas Escolares, vinculado à UFMA.

Preocupado com as condições relatadas, Alberto Franco afirmou que a Comissão de Educação vai extrair a proposta e sugerir a presença de profissionais e melhorias das estruturas. “É fundamental que os bibliotecários façam parte do corpo docente, uma vez que estão inseridos no contexto de ensino-aprendizagem. Ele é o profissional capacitado para orientar as pesquisas. Essa inclusão será benéfica para a qualidade do ensino”, concluiu o deputado.

A presidente do CRB-MA, Silvelene da Silva Evangelista, disse que a proposta de universalização das bibliotecas no estado foi uma necessidade percebida pelo Conselho. “Não possuímos leis estaduais que tratem sobre esse tema. Talvez o nosso índice de analfabetismo seja tão acentuado por conta dessas falhas”, considerou. Trazendo dados de pesquisas realizadas, Silvelene Evangelista afirmou que Caxias possui 34% de analfabetos que mal sabem ler e escrever. No Maranhão, esse índice chega a 26%. “Se levarmos em consideração as pessoas que sabem ler e escrever, mas não sabem interpretar, o chamado analfabetismo funcional, esse número pode chegar a 50% da população”, disse. “Não se faz educação sem ter bibliotecas como processo de complementação desse processo”, acrescentou.

PESQUISA

Com um estudo voltado para 100 escolas de São Luís, classificada como melhor município maranhense, Mary Ferreira, apontou que 70% possuem a estrutura de bibliotecas, mas a maioria não dispõe de espaço arejado, acervo atualizado, cadeiras e mesas para instalação dos usuários. “Não proporciona o ambiente favorável para extensão da educação recebida em sala de aula”, concluiu. Do total, as bibliotecas possuem apenas 15 profissionais formados em biblioteconomia.

O deputado afirmou que conhece essa situação por ter atuado como professor da rede estadual de ensino. Lembrou ainda da visita feita pela Comissão à Biblioteca Pública Benedito Leite, no início deste mês, lamentando a estrutura comprometida e estado de abandono da instalação. “Com mais de 180 anos de existência e detentora de um acervo com cerca de 120 mil volumes, a Biblioteca Benedito Leite está abandonada. Se ela, que está no Centro, espaço visível de todos, se encontra dessa forma, imagina as dos bairros?”, questionou.

O parlamentar assumiu o compromisso de levar ao plenário a discussão para sensibilizar os demais deputados. Além disso, encaminhará ao Governo do Estado um requerimento e um projeto de indicação para instalação de bibliotecas nas escolas e a presença de profissionais habilitados para exercer a função nos estabelecimentos. Além disso, solicitará uma audiência com o secretário estadual de educação, Anselmo Raposo, para levar ao seu conhecimento a problemática.

Também participaram da reunião, realizada na sala das comissões, o vice-presidente do CRB-MA, Moisés da Costa Silva, a tesoureira do Conselho, Porfíria Melo Lobão, as estudantes do curso de bacharelado em Biblioteconomia da UFMA, Rita de Cássia Santos Silva e Neurimar d’Ávila Pereira Santos, além do presidente da Associação de Profissional de Bibliotecários do Maranhão, Carlos Wellington Soares Martins.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.