Campanha de combate à violência contra as mulheres chega à zona rural de São Luís

A iniciativa, que contemplará também outras comunidades da zona rural, como o Igaraú e a Vila Nova República, abrangerá também áreas adjacentes como Itapera, Estiva, Inhaúma, Coqueiro e Calebe, por exemplo. O objetivo é levar informações e serviços às mulheres que residem em áreas afastadas e que, por essa condição, têm dificuldades de usufruir dos serviços públicos disponibilizados pela Rede Amiga da Mulher, da qual faz parte a Coordenadoria Municipal da Mulher.

“Nosso objetivo é levar até as localidades mais remotas as informações importantes para que as moradoras dessas regiões também conheçam os seus direitos e os serviços que são disponibilizados pelo poder público e pelos organismos voltados à causa e os utilizem em seu favor”, afirmou a coordenadora municipal da Mulher, Vânia Albuquerque.

Segundo a coordenadora, houve avanços na implementação de políticas públicas voltadas à proteção da mulher contra a violência de gênero, principalmente com a execução de leis como a Maria da Penha. Entretanto, muito ainda deve ser feito para sua consolidação. Ela destaca a informação como ferramenta crucial para a efetivação desse processo.

“E esse é um dos objetivos do evento, porque é por meio da informação que passamos às mulheres conhecimento e as instrumentalizamos para que saibam utilizar os equipamentos públicos disponibilizados pelo Município e pelo Estado. A questão da violência é um problema de toda a sociedade e não apenas de quem sofre o ato. Somente com a informação e o engajamento de toda a sociedade poderemos mudar a cultura vigente e transformar essa realidade que ainda é muito alarmante”, enfatizou Vânia Albuquerque.

PROGRAMAÇÃO

No Quebra Pote, a programação alusiva à campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres” contou ainda com os serviços do Ônibus Lilás, que presta orientações itinerantes sobre o enfrentamento a todas as formas de violência contra as mulheres e ainda sobre autonomia econômica, serviços de saúde e oficinas de artesanato. As ações são desenvolvidas em parceria com a Secretaria Municipal de Governo (Semgov) e Secretaria de Estado da Saúde (SES).

Dezenas de mulheres da região chegaram logo cedo ao largo do Centro de Saúde do Quebra Pote, onde centraram-se as atividades da campanha. A dona de casa Andréa Lourdes Farias Sousa, 30 anos, deixou os dois filhos com a avó, para assistir à palestra com reflexões sobre as Leis Maria da Penha e do Feminicídio. “Às vezes não sabemos como agir em situações que nos consideramos agredidas. Por isso achei importante participar da palestra para obter essas orientações e saber como agir e também a quem recorrer nesses casos”, disse ela.

Artesã Malena de AlmeidaA artesã Malena de Almeida Lima, 27 anos, aproveitou a oportunidade do evento para aprender a fazer novas pinturas em tecido, na oficin! a de artesanato promovida no local, e também participou da palestra sobre enfrentamento à violência contra a mulher. “Eu já tinha conhecimento de muitas informações repassadas aqui, mas fiz questão de participar porque conhecimento nunca é demais, ainda mais quando se trata de questões que dizem respeito a nós, mulheres “, relatou.

Já a dona de casa Patrícia Fabiana Martins, 20 anos, aproveitou o momento para fazer uso dos serviços de assistência social ofertados no local. “Aproveitei para fazer o recadastramento do Bolsa Família de meus dois filhos, porque moramos distante do centro e isso, às vezes, nos impossibilita realizar esses serviços”, disse.

Nesta sexta-feira (25), a ação será levada para o Igaraú. No sábado (26) será a vez do bairro Nova República receber a ação que começa às 8h e se estende até às 17h. Neste dia, a ação vai se estender também para os bairros da Vila Batatan, Tibirizinho, Tibiri do Meio, Vila Funil e Vila Esperança.

SAIBA MAIS

A campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres” é uma mobilização mundial, realizada anualmente. É praticada simultaneamente por diversos países, envolvendo atores da sociedade civil e do poder público engajados nesse enfrentamento. Desde sua primeira edição, em 1991, já conquistou a adesão de cerca de 160 países. A campanha tem quatro datas significativas: 25 de novembro – Dia Internacional de Não Violência contra as Mulheres; 1º de dezembro – Dia Mundial de Combata à AIDS; 6 de dezembro – Campanha do Laço Branco; e 10 de dezembro – Dia Internacional dos Direitos Humanos.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.