Redes Sociais

Assaltantes fazem um raspa na unidade Mista do Maiobão

Segundo um funcionário da unidade, que prefere não identificar-se, os bandidos chegaram ao local em uma moto e entraram na Unidade Mista se passando por paciente e acompanhante.
 No fim da manhã desta segunda-feira (8), uma dupla de criminosos assaltou duas pessoas, uma dentro da Unidade Mista do Maiobão e outra do lado de fora do hospital. Segundo um funcionário da unidade, que prefere não identificar-se, os bandidos chegaram ao local em uma moto e entraram na Unidade Mista se passando por paciente e acompanhante.

“Eles entram e sondaram se o guarda (vigilante do hospital) estava armado, mas o segurança não tinha arma e estava até almoçando nessa hora. Depois, entram na sala do médico para se consultar e ficaram o tempo todo olhando para a mesa do médico, mas não viram nada de valor. Depois da falsa consulta, eles saíram da sala se negando a tomar o medicamento. E, na hora em que foram saindo do hospital, mostraram a arma para um mulher que estava perto da recepção e tomaram a bolsa dela. Ao saírem da unidade, tomaram a bolsa de outra mulher do lado de fora”, informou o funcionário da Unidade Mista, em entrevista ao Imirante.com.

Do lado de fora do hospital, uma vendedora de lanche viu a ação dos bandidos e reclama da falta de segurança nas imediações do hospital.

“Nós não temos uma segurança, não é por falta deles (Direção da Unidade Mista) pedirem, eu sou testemunha que a direção, os médicos e os enfermeiros pedem a presença da polícia”, disse a vendedora, em entrevista à rádio Mirante AM.

Segundo o funcionário da Unidade Mista, as pessoas que trabalham no hospital estão temerosas por causa da insegurança na região.

“A gente fica com medo de vir trabalhar, pois os bandidos estão agindo até dentro do hospital. Percebemos que eles queriam roubar o médico e as funcionárias da recepção, mas como não viram objetos de valor, acabaram roubando uma paciente”, afirma o funcionário.

A direção do hospital chamou a polícia, mas ninguém ainda foi preso nem identificado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *