Temer e Dilma em disputa acirrada pelo apoio de ministros do PMDB

Presidente reuniu seis dos sete ministros do partido no Palácio do Planalto.Vice busca ministros a fim de atraí-los para a tese de romper com governo.

Por * Nathalia Passarinho e Filipe Matoso*

Em outra trincheira, o vice-presidente da República, Michel Temer, presidente nacional do PMDB, busca apoio unânime para o rompimento com o governo. Afastado da presidente desde o fim do ano passado, Temer tem usado o Palácio do Jaburu – residência oficial da Vice-Presidência – como “quartel-general” das últimas articulações para que o partido abandone de vez o governo federal.

Ofensiva de Dilma
Na manhã desta segunda, a presidente chamou ao seu gabinete no Palácio do Planalto seis dos sete integrantes do partido aliado no primeiro escalão.

Participaram da audiência os ministrosEduardo Braga (Minas e Energia), Mauro Lopes (Aviação Civil), Marcelo Castro (Saúde), Celso Pansera (Ciência e Tecnologia), Henrique Alves (Turismo) e Hélder Barbalho (Portos). O encontro durou cerca de uma hora.

O G1 apurou que somente a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, não estava presente à conversa com Dilma porque teve de viajar às pressas para Goiânia para o enterro de um familiar.

Um dos ministros do PMDB que compareceu à reunião relatou ao G1 que, durante a audiência, eles fizeram um “mapa” dos votos dos diretórios estaduais do partido.

“Assim como nas reuniões anteriores com a presidenta, avaliamos o cenário como um todo no PMDB e fizemos um mapa de como deverão votar os diretórios”, disse o ministro sob a condição de anonimato.

“Discutimos a reunião de amanhã [terça]. Avaliamos cenários e definimos estratégias”, acrescentou outro ministro do PMDB que também não quis se identificar.

Articulações de Temer
Na manhã desta segunda-feira (28), o vice-presidente se reuniu, no Jaburu, com o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga (PMDB-AM), pouco antes de Braga se reunir com Dilma no Palácio do Planalto.

Segundo o G1 apurou, Temer ressaltou no encontro com Braga que já existe ampla maioria a favor do desembarque do governo e, em razão disso, defendeu que a legenda adote uma posição unificada na reunião desta terça (29) da executiva nacional para demonstrar uma imagem de união.

Na eventualidade de Dilma vir a ser afastada da Presidência por um processo de impeachment, o vice assumirá o comando do país por ser o primeiro na linha de sucessão.

Após a conversa com o ministro de Minas e Energia, Temer se reuniu no Jaburu com os ex-ministros da Aviação Civil Eliseu Padilha e Moreira Franco, dois de seus aliados mais próximos.

O vice-presidente deve aproveitar o dia para conversar com outros ministros do partido e com parlamentares peemedebistas.

O objetivo é evitar uma divisão entre ministros do PMDB e demais integrantes do partido na votação da moção que defende o rompimento com Dilma.

Diretório do PMDB
Segundo apuração do G1, até este domingo, 11 diretórios estaduais sinalizavam que seus integrantes votarão a favor do desembarque do PMDB do governo Dilma Rousseff na reunião desta terça-feira.

Somente um diretório, o do Maranhão, defendeu a manutenção da aliança. Outros 11 afirmaram que ainda não tinham posicionamento definido. O G1 não conseguiu contato com representantes do partido em quatro estados (Ceará, Pará, Roraima e Rondônia)

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.