Secretaria promove encontro com equipes que atuam com crianças com microcefalia

 

 

O Governo do Estado, por meio da Secretaria do Desenvolvimento Social (Sedes), está promovendo, desde esta segunda-feira (26), na Escola de Governo do Maranhão (EGMA), em São Luís, o Encontro Regionalizado do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Até quarta-feira (28), serão discutidas a construção de estratégias intersetoriais de apoio às famílias com crianças com microcefalia.

O secretário do Desenvolvimento Social, Neto Evangelista, explicou que o evento faz parte do cumprimento de compromissos que o Governo do Estado estabeleceu com as famílias de crianças com microcefalia no Maranhão.

“O evento é mais um compromisso do governador Flávio Dino de auxiliar e contribuir com profissionais que atuam diretamente com as famílias e as crianças que convivem com a microcefalia, dando o esclarecimento e o suporte necessário para o enfrentamento da síndrome”, disse o secretário.

A secretaria adjunta de Assistência Social, Celia Salazar, falou do papel da Sedes no apoio das famílias que convivem com a síndrome. Ela informou que a secretária está desenvolvendo ações, com a Secretaria de Estado de Saúde (SES) e gerências executivas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de São Luís e de Imperatriz, para orientar, qualificar e acompanhar as equipes municipais do Sistema Único de Assistência Social (Suas) no atendimento às famílias com crianças com microcefalia. “Sem dúvida é um importante evento para esclarecer e orientar no melhor atendimento às crianças com microcefalia do nosso estado”.

A coordenadora da Proteção Básica do município de Araioses, Karina Sampaio, considerou o evento esclarecedor. “Precisamos aprender e nos capacitar, cada vez, mais para ajudar essas famílias e crianças a lidar com a síndrome da melhor forma possível. É uma ótima iniciativa do Governo do Estado, que está de parabéns pelo olhar especial a esse caso”. Araioses é um dos 50 municípios participantes.

Na programação do primeiro dia, debates envolvendo o temas como Síndrome Congênita – Microcefalia e Aspectos Epidemológicos no Maranhão e Ações de Atenção e Apoio à Criança, com participação de Jakeline Rios e Marielza Sousa, da SES; e A política de Assistência Social, o Cadastro Único e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), com Nadja Ribeiro, Celia Salazar e Vicente Memória, da Sedes.

Na terça (27) e quarta-feira (28) estão programas debates com os temas Rede Intersetorial de Apoio às Famílias com Crianças com Microcefalia; Relatos de Representantes das Famílias com Crianças com Microcefalia; Mesa sobre Órgãos de Controle Social no Acompanhamento das Ações às Famílias com Crianças com Microcefalia; e Apresentação do Processo de Construção do Plano Estadual pela Primeira Infância no Maranhão.

Entre os temas dos trabalhos de grupo, Construção de Estratégias Intersetoriais a Serem Implementadas nos Municípios para Apoio às Famílias com Crianças com Microcefalia. Será realizada a oficina com coordenadores e técnicos do Centro Dia e Centro de Referência da Pessoa com Deficiência.

A abertura do evento contou com a presença da secretaria adjunta Celia Salazar; a secretaria adjunta de Direitos das Pessoas com Deficiência da Secretaria de Direitos Humanos e Participação Popular, Beatriz Carvalho; o presidente do Colegiado Estadual de Gestores Municipais da Assistência Social (Coegemas), Cleiton Ferreira; a chefe de departamento da Criança e do Adolescente da Secretaria de Saúde, Marielza Cerez; a vice-presidente do Conselho Estadual de Assistência Social, Liliane Nunes; além de técnicos e conselheiros de assistência social, representantes regionais de saúde e educação e coordenadores de Centro Regional de Assistência Social (Cras) e do Conselho Regional Especializado de Assistência Social (Creas).

(Foto: Divulgação)

Crianças com microcefalia

Em 2015, o Ministério da Saúde decretou estado de emergência no país por causa de casos de microcefalia em crianças. O Governo Federal acompanhou, semanalmente, os casos de microcefalia, zika, e outras consequências do mosquito vetor, o Aedes aegypti.

O Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia foi criado e uniu ministérios, órgãos federais, estaduais e municipais. Inaugurado pelo governador Flávio Dino, o Centro de Referência em Neurodesenvolvimento, Assistência e Reabilitação de Crianças (Ninar), presta tratamento especializado a crianças com microcefalia. O centro é integrado por pediatras, neuropediatras, oftalmologistas e geneticistas.

A equipe multidisciplinar é composta ainda por fisioterapeutas, enfermeiros, fonoaudiólogos, assistentes sociais, psicopedagogos e terapeutas ocupacionais. A unidade possui sete consultórios e duas salas de acolhimento, além de espaços para reabilitação em fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional.

Casos

Desde o início das investigações, em novembro de 2015, até a 12º Semana Epidemiológica de 2018 (24 de março), 425 casos suspeitos de Síndrome Congênita por Zika Vírus ou outras Infecções (Microcefalia) foram notificados no Maranhão. Destes: 182 foram confirmados;​ 185 descartados;​ 58 em investigação (inconclusivos prováveis).

Houve, ainda, 39 óbitos no período, sendo que 27 foram descartados, 3 confirmados e 7 em investigação. Por ano de notificação temos o seguinte: 2015 – 87 casos notificados; 2016 – 242 casos notificados; 2017 – 86 casos notificados; 2018 – 10 casos notificados.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

fonte: governo do estado

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.