Maranhão registra queda de 39% dos focos de queimadas em todo o estado

Devido aos números alarmantes registrados sobre queimadas nos anos anteriores, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema), em parceria com municípios e com o Corpo de Bombeiros, realizou durante todo o ano de 2016 ações efetivas de prevenção, controle e educação sobre queimadas, que auxiliaram na redução de 39% dos focos de queimadas em todo o Maranhão, de acordo com dados do Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc).

O Relatório de Incidências de Queimadas do Maranhão do ano de 2016, divulgado pelo Imesc, monitorou e analisou as ocorrências de queimadas no estado em diferentes níveis e escalas, mostrando a redução no quantitativo de focos registrados entre os anos de 2015 e 2016. Foram identificados 432.278 focos de queimadas no ano de 2015, enquanto que em 2016 esse número caiu aproximadamente 39% do quantitativo de focos em todo o estado, principalmente nas regiões Norte e Oeste do Maranhão, com concentração de casos na faixa central e maior dispersão nos municípios do Sul, como Balsas e Alto Parnaíba.

Dentre as ações coordenadas pela Sema, que culminaram na diminuição do número de queimadas em relação a 2015, estão: a ampliação das fiscalizações nas áreas protegidas com maior investimento dos Governos Federal e Estadual no ano de 2016, bem como reuniões com secretários de Meio Ambiente dos municípios com maiores índices de queimadas, a realização do Curso de Prevenção e Combate a Incêndio Florestal no Parque Estadual do Mirador (PEM) e ações de sensibilização e educação ambiental com a comunidade que lá reside, além da capacitação de agricultores familiares em técnicas alternativas ao uso do fogo e o desenvolvimento do Plano Estadual de Combate a Incêndio.

Em 87,5% dos municípios maranhenses foi registrada a diminuição na incidência de focos de queimadas entre 2015 e 2016, com destaque para Centro Novo do Maranhão (85,8%), Tuntum (83%) Itinga do Maranhão (82,8%), Santa Luzia (68,6%) e Amarante do Maranhão (61,3%). O estudo aponta também que a redução da quantidade de focos de queimadas de 2015 para 2016 está relacionada com o aumento da pluviosidade e maior distribuição de dias chuvosos em 2016, que passou de 91.798,7 mm/ano em 2015 para 147.356,2 mm/ano no ano seguinte.

No entanto, apesar da perceptível redução no número de queimadas no ano de 2016, o Maranhão possui fatores que contribuem para o surgimento de focos de incêndios, como as condições naturais do clima, solo e vegetação favoráveis para queimadas, principalmente nos municípios de clima mais seco, permanecendo então em terceiro lugar no ranking elaborado pelo Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (INPE), com 265.211 focos, atrás apenas do Mato Grosso (347.156) e Pará (301.701). Na região Nordeste, o Maranhão ocupa o primeiro lugar com quase 51,11% do total de queimadas registradas em 2016, seguido por Piauí e Bahia.

O Relatório de Incidências de Queimadas do Maranhão é um forte instrumento que fornece base de estudos para o direcionamento de políticas públicas que visem à prevenção, controle e proteção do meio ambiente no Maranhão, para reduzir cada vez mais os focos de queimadas.

O relatório completo está disponível no site do Imesc através do link: http://imesc.ma.gov.br/src/upload/publicacoes/relatorio_de_queimadas_-_relatorio_anual_2016.pdf.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.